Bastidores

Deputados cearenses divergem sobre julgamento da chapa Dilma Temer

Para Raimundo Matos, é preciso “muita prudência e maturidade política” nesse momento. Foto: Agência Câmara

Deputados cearenses têm opiniões distintas sobre o julgamento da chapa Dilma-Temer. Questionados pelo jornal O Estado, alguns parlamentares destacam as “possíveis consequências” do processo no Tribunal Superior Eleitoral.

A cadeira de presidente da República está novamente no centro das discussões políticas e jurídicas. Nesta terça (04), o TSE começa a julgar processo em que a chapa PT/PMDB é acusada de abuso de poder político e econômico ao usar recursos ilícitos para financiar a campanha de 2014.

O julgamento pode levar à anulação das candidaturas e tirar Michel Temer (PMDB) do posto que ocupa oficialmente desde agosto do ano passado, quando ocorreu o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

Danilo
Em entrevista, o deputado Danilo Forte (PSB) afirmou que a possível condenação contra o mandato de Michel Temer (PMDB) poderia gerar uma instabilidade ao País, mas defendeu a apuração das denúncias. “Acho que, diante de tantas denúncias, elas precisam ser apuradas, mas também haja compreensão que não podemos levar o país para um crise institucional”, frisou ele, externando que “tenho preocupação que o ímpeto daqueles que estão fora do governo criem uma situação de instabilidade e crie um problema financeiro, que será ainda pior para o povo brasileiro”. Entretanto, o socialista afirmou que os escândalos de corrupção tem contribuído para que, a curto prazo, seja modificado o financiamento de campanha e o peso das empresas sobre os mandatos.

Raimundo Matos
Já Raimundo Gomes de Matos (PSDB) lembrou que, há poucos meses, o Congresso Nacional cassou o mandato de uma presidente da República, repetindo o “trauma” de 1992, com Fernando Collor. “Desde a saída de Dilma Rousseff, o presidente Michel Temer e sua equipe estão empenhados em colocar o País de volta à rota do crescimento econômico e do desenvolvimento social”, disse ele, ressaltando que “entendemos que o processo no Tribunal Superior Eleitoral, fruto de uma ação do PSDB nacional, deve ser encarado dentro do processo de normalidade jurídica das instituições democráticas”.

Entretanto, segundo o parlamentar, é preciso “muita prudência e maturidade política” nesse momento. “Estamos numa travessia muito delicada, tanto na política quando na economia”, pontuou.

Consequências
O tucano também concorda que o julgamento do Tribunal pode ter consequências no Legislativo. “Acreditamos no bom senso dos julgadores do TSE, que saberão colocar os interesses nacionais acima de questões menores. Isso, se o julgamento tiver continuidade, porque ainda não se sabe de que algum integrante da Corte pedirá vistas do processo”, destacou.

Valim
O deputado Vitor Valim (PMDB) disse que, embora não conheça os autos do processo, espera “justiça”. “Só espero que a Justiça possa ser feita. Ninguém questiona decisão judicial. Apenas se cumpre”, pontuou ele.

Silêncio
Procurado pela reportagem, o deputado federal José Guimarães (PT), por meio de sua assessoria, informou que não se manifestaria sobre o assunto.

Com informações do OE


Curtir: