Nacional

Dilma diz que nunca desconfiou de irregularidade na Petrobas

Em sabatina, presidente informou já ter pedido acesso aos depoimentos do ex-diretor da Petrobras, que apontou integrantes da base aliada do Palácio do Planalto como beneficiários de esquema de propina na estatal
Em sabatina, presidente informou já ter pedido acesso aos depoimentos do ex-diretor da Petrobras, que apontou integrantes da base aliada do Palácio do Planalto como beneficiários de esquema de propina na estatal

A presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT, afirmou que em “nenhum momento” seu governo teve conhecimento sobre suposto esquema de corrupção na Petrobras. Em sabatina realizada pelo jornal O Estado de S. Paulo, na segunda-feira (08), ela disse já ter solicitado à Polícia Federal e ao Ministério Público acesso aos depoimentos prestados pelo ex-diretor da estatal Paulo Roberto Costa e classificou como “estarrecedor” o fato de denúncias serem feitas por um funcionário de carreira.

Carreira
Dilma também negou a identificação de suspeitas de irregularidades quando presidente do conselho de administração da Petrobras. “Em nenhum momento houve [desconfiança]. É interessante que lembremos que ele [Paulo Roberto Costa] é um quadro da Petrobras. O que é mais estarrecedor. Ele vinha fazendo carreira. É de fato surpreendente que ele tenha feito isso. Isso não faz parte da Petrobras”, disse Dilma.

Lista
De acordo com a última edição da revista Veja, Costa citou como beneficiários de propina em esquema na Petrobras o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão (PMDB-MA), e os presidentes do Senado e da Câmara, Renan Calheiros (PMDB-AL) e Henrique Alves (PMDB-RN), respectivamente. Estariam envolvidos também políticos do PT e do PP.

Leia ainda:
Delação: PT admite danos à campanha e Dilma deve ficar na defensiva
Lista de delatados por ex-diretor da Petrobras reúne deputados, senadores, governadores e ministros

Informações
A petista reafirmou que não tomará nenhuma medida baseada apenas em reportagens. “Sou presidenta da República, tenho que acatar as informações da Polícia Federal, do Ministério Público. Eu não quero dentro do meu governo qualquer pessoa que esteja comprometida com malfeito. A imprensa não tem um foro inequívoco para dizer quem eu posso ter ou não. Eu quero a informação mais profunda possível”, disse.

Corrupção
Durante a entrevista, Dilma voltou a defender a presidente da Petrobras, Graça Foster. E repetiu que os esquemas de corrupção revelados ao longo das gestões do PT se deram porque a Polícia Federal e o Ministério Público ganharam autonomia para investigar. “Quem não investiga não descobre. Fica claro que esse governo investigou e descobriu. Desmontamos muitos esquemas de corrupção. O que me estranha é que outros esquemas não tenham tido o mesmo tratamento que é o caso do mensalão do DEM, ou o esquema original, do PSDB”, alfinetou.

Ministro da Fazenda
Na sabatina, a presidente confirmou que, em eventual segundo mandato, o ministro Guido Mantega (Fazenda) não fará parte da gestão por “questões pessoais”.

Com informações do Congresso em Foco


Curtir: