Em Brasília

Dilma não aceita ameaças do PMDB e tira diretor do Dnocs

Amor? Bolo com os bonecos da presidente Dilma Rousseff e do vice-presidente Michel Temer durante a última reunião da base aliada no primeiro semestre de 2011. Foto: Valter Campanato/ABr

Em vez de intimidarem a presidente Dilma Rousseff, as ameaças disparadas contra o governo nos últimos dias pelo líder do PMDB na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN), tiveram efeito contrário ao esperado e precipitaram a demissão do diretor-geral do Departamento Nacional de Obras contra as Secas (Dnocs), Elias Fernandes Neto.

Veja em:
Deputado desafia Dilma e diz que PMDB não perderá cargo no Dnoc. Ou o Brasil virou República das bananas?

A troca de comando, que Dilma determinara que fosse decidida no início de fevereiro, ocorreu nas primeiras horas da manhã de quinta-feira (26) e foi comunicada pela chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, ao vice-presidente Michel Temer, encarregado de conduzir o processo no PMDB.

Tom
No Planalto, houve forte contrariedade com o tom do líder peemedebista de desafiar a autoridade presidencial, exposto pelo GLOBO nos últimos dias, mesmo depois de ele ter sido comunicado da decisão de substituir Elias Fernandes.

Leia ainda:
Após denúncia em Obra no Ceará, Dilma demite diretor do Dnocs  

Saída de honra
O Planalto procurava construir com o PMDB uma saída honrosa para o afilhado político de Henrique Alves. Mas, ontem de manhã, a ordem no Planalto foi suspender as negociações.

Isso tornou ainda mais delicada a relação do PMDB com o governo. Nos bastidores, ainda é grande o grau de insatisfação dos aliados com o modo de governar da presidente.

Com informações do O Globo