Mensalão

Dirceu deixa presídio pela última vez e se envolve em confusão com equipe de TV

Dirceu deixa presídio pela última vez e se envolve em confusão com equipe de TV
Dirceu deixa presídio pela última vez e se envolve em confusão com equipe de TV

O ex-ministro da Casa Civil José Dirceu deixou na manhã desta terça-feira (04) pela última vez o Centro de Progressão Penitenciária (CPP) de Brasília, onde cumpre pena em regime semiaberto. Dirceu foi para o trabalho e nesta tarde comparecerá na Vara de Execuções Penais (VEP) para ser informado dos termos da prisão domiciliar que passará a cumprir.

A saída, de acordo com o site do jornal O Estado de S. Paulo, foi marcada por uma confusão com a equipe do programa Pânico, da TV Bandeirantes.

Leia ainda:
STF autoriza José Dirceu a cumprir prisão domiciliar
Após deixar a prisão, Dirceu vai se casar com funcionária do Senado

Condenado e preso
Condenado a 7 anos e 11 meses de prisão por corrupção ativa no processo do mensalão, Dirceu foi preso em 15 de novembro do ano passado. Ficou no presídio da Papuda até julho, quando foi transferido para o CPP e começou a trabalhar no escritório do amigo advogado José Gerardo Grossi com salário de R$ 2,1 mil mensais.

Remissão
Com o trabalho dentro e fora do presídio conseguiu remissão de 142 dias de pena. O ministro Luís Roberto Barroso concedeu então a progressão para o regime aberto. Como em Brasília não há casa do albergado para os condenados neste regime, o ex-ministro poderá ficar em casa.

Tumulto
Na saída do local, o ministro gritou com o humorista que tentava entrevistá-lo, e seguranças impediram que lhe fosse entregue um maço de dinheiro. O ex-ministro foi para o escritório de Grossi, de onde sairá rumo a VEP para a definição das regras do cumprimento de pena daqui em diante no regime domiciliar.

Limites
Ele terá de ficar em casa das 21h às 5h nos dias úteis e todo o tempo nos finais de semana e feriados. Dirceu não poderá portar armas, fazer uso de bebidas alcoólicas, frequentar bares nem deixar o Distrito Federal sem autorização judicial. Ele terá de comparecer à VEP a cada dois meses e não poderá ter contato com outros condenados.

Com informações do O Globo


Comentários: