Eleições 2012

Doações ocultas para Roberto Cláudio, prefeito eleito de Fortaleza, somam 68%

Doações ocultas para Roberto Cláudio, prefeito eleito de Fortaleza, somam 68%. Foto: Kézya Diniz

O vencedor da eleição de outubro para a prefeitura de Fortaleza, Roberto Cláudio (PSB), arrecadou R$ 18.553.400,00 para a campanha eleitoral e, destes, R$ 12.601.800,00 foram transferidos pelo comitê financeiro ou diretório do partido sem a identificação do doador do dinheiro. É a chamada doação “oculta” e que no caso da campanha do PSB representa 68% das doações para financiar a candidatura de Roberto Cláudio.

Estratégia
Essas doações são assim chamadas porque, apesar de os diretórios partidários e os comitês financeiros serem obrigados a informar de quem receberam, não é possível rastrear com precisão a origem do dinheiro. É que a arrecadação é pulverizada entre diversos candidatos da chapa ou da legenda. O mecanismo é utilizado por empresas que nao desejam ter seu nome associado diretamente a políticos.

Brasil de milhões ocultos
Vitoriosos nas 26 capitais declararam ter recebido R$ 212,5 milhões. Desse total, apenas R$ 53,6 milhões têm seus doadores identificados. Oito eleitos tiveram mais de 90% de suas doações ocultas.

Leia ainda:
Prestação de Contas: Roberto Cláudio e Elmano de Freitas gastaram, juntos, R$ 30,2 milhões na campanha eleitoral

Mais de 90%
Dos 26 prefeitos eleitos nas capitais, oito tiveram mais de 90% de suas receitas ocultas. Cinco deles foram eleitos no segundo turno: Firmino Filho (PSDB), em Teresina, Zenaldo Coutinho (PSDB), em Belém, Mauro Nazif (PSB), em Porto Velho, Alcides Bernal (PP), em Campo Grande, e e Fernando Haddad (PT), em São Paulo. No primeiro turno, também passaram dos 90% os prefeitos eleitos de Boa Vista, Teresa Surita (PMDB), Porto Alegre, José Fortunati (PDT), e de Aracaju, João Alves Filho (DEM).

Maior e menor
A campeã de doações ocultas foi Teresa Surita do PMDB de Boa Vista. Ela arrecadou R$ 1.960.000,00 e 100% das doações foram registradas através do comitê financeiro. Já o prefeito com o menor percentual de doações ocultas foi Carlos Amastha do PP Palmas. Ele arrecadou R$ 408.950,54, dos quais apenas R$ 4.005.164,20 foram de doações do partido, o que representa 10% de repasses ocultos.

Levantamento
O levantamento foi feito pelo Congresso em Foco com base em informações fornecidas pelos candidatos ao Tribunal Superior Eleitoral. Veja o levantamento completo aqui.


Curtir: