Ceará Eleições 2014

Eleições 2014: Partidos se organizam para as convenções

A maior dúvida para a disputa deste ano é sobre a ruptura, ou não, da aliança entre Cid e Eunício
A maior dúvida para a disputa deste ano é sobre a ruptura, ou não, da aliança entre Cid e Eunício

Nos próximos meses, as decisões trabalhadas nos bastidores da política vão, enfim, ganhar publicidade. Até junho, o eleitor terá acesso às candidaturas que se apresentarão ao governo do Estado, ao Senado e aos parlamentos federal e estadual.

De acordo com a legislação eleitoral, em vigor, as legendas devem homologar as coligações e oficializar as candidaturas de quem vai concorrer às eleições deste ano, até o dia 30 de junho, durante a realização das convenções partidárias.  Com a proximidade do prazo, as siglas intensificam as articulações e o debate sobre as estratégias eleitorais que serão adotadas neste ano.

Eleição proporcional
Para a eleição proporcional, que elege deputados estaduais e federais, a preocupação é com os chamados “puxadores de votos”. Os candidatos fazem, ainda, o cálculo para saber, na ponta do lápis, que composição entre as legendas pode trazer maior vantagem na hora da disputa.

Eleição majoritária
Já no caso da eleição majoritária, para o governo do Estado e para o Senado, a manutenção, ou não, da base de apoio do atual governo preocupa os partidos de maior porte no Ceará, como é o caso do PT, do Pros e do PMDB. Para a oposição, a ideia é criar um palanque forte que faça frente aos governistas.

PMDB
O PMDB trabalha para disputar a sucessão de Cid Gomes com Eunício Oliveira na cabeça de chapa. A legenda quer o apoio do atual gestor e sonha em ter o Pros no palanque, tarefa difícil que só deve ser definida no fim do prazo das convenções. Até lá, o senador peemedebista tenta convencer os demais aliados de esta é “a sua vez”.

O PMDB tem realizado encontros regionais para debater “os interesses do Estado” e enquanto aguarda a definição sobre a manutenção da aliança com Cid Gomes, segue as articulações sem esquecer os preparativos para a eleição proporcional. No entanto, de acordo com Eunício, que também é presidente da legenda no Ceará, os candidatos a deputado estadual e federal ainda não estão definidos.  

PT
O PT trabalha numa estratégia de mobilização e debates coletivos. A legenda quer aproveitar as eleições, deste ano, para fortalecer o partido no Senado Federal, de acordo com seu presidente, De Assis Diniz. Segundo ressaltou, atividades no interior do Estado também estão sendo realizadas como forma de mobilizar a militância para a realização do encontro que vai discutir as táticas eleitorais, no final deste mês.

As últimas decisões com relação aos candidatos a deputados estaduais e federais deverão acontecer até o dia 30 de junho, quando o partido pretende realizar sua convenção. De Assis comenta que não é a primeira vez que isso acontece, inclusive já virou tradição do partido realizar convenções conjuntas com os demais aliados.  

Pros
Apesar de ainda estar negociando com outros partidos o lançamento de um candidato ao Governo, o Pros cearense trabalha a realização de seminários regionais, onde o objetivo é preparar o partido para as eleições deste ano. Em entrevista recente ao jornal O Estado, o presidente da legenda, Danilo Serpa, afirmou que os encontros também discutirão os nomes a serem escolhidos para representar o partido na disputa aos cargos eletivos. Na ocasião, ele comentou que a ideia é ampliar as bancadas, elegendo, pelo menos, 13 deputados estaduais e sete federais.

PCdoB
Já o PCdoB inicia, a partir do dia 8 de março, as atividades regionais para homologar as decisões preestabelecidas. A sigla trabalha manter a vaga no Senado Federal e, por isso, a ideia é desenvolver um projeto “arrojado”, segundo ressaltou o senador Inácio Arruda (PC doB), pré-candidato à reeleição. 
Alguns candidatos a deputada também estão quase definidos. “Essa é a hora do partido preparar seu projeto, suas ideias e debater com a militância”, pontuou.  

Pra fortalecer
O PDT, assim como outros partidos, também está realizando encontros para traçar estratégias para as eleições e reúne filiados, dirigentes, apoiadores, integrantes dos segmentos sociais da legenda, além de pré-candidatos e lideranças políticas. Para tentar aumentar os números de representantes no parlamento, o presidente da sigla e deputado federal, André Figueiredo, diz que os últimos detalhes serão acertados pelo partido.  

O PRB quer aproveitar a eleição deste ano para fortalecer o partido no Estado, de acordo com o deputado estadual Ronaldo Martins, vice-presidente da sigla. A legenda deve realizar sua convenção no dia 30 de junho, para se adequar as escolhas feitas por outras siglas a que, porventura, possa se aliar. Em princípio, o partido deseja defender a candidatura do senador Eunício Oliveira (PMDB). No entanto, o diálogo ainda está sendo travado em nível nacional.  

OPOSIÇÃO
A grande preocupação para a convenção do PSDB, que ainda não tem previsão de data, será a definição de um candidato que venha a dar suporte à candidatura do senador Aécio Neves (PSDB) à Presidência da República. O partido já trabalha nomes de deputados estaduais e federais, mas as coligações – que devem apontar uma cabeça de chapa, um vice ou uma vaga ao Senado – ainda estão em discussão.  

Conforme o deputado Raimundo Gomes de Matos (PSDB), vice-presidente da legenda, existe uma representação nacional que deve influenciar nos palanques estaduais. E, portanto, o partido articula encontros regionais para discutir internamente estas estratégias. A legenda ainda dialoga com outras siglas de oposição como é o caso do PR e no PSB que já lançou a pré-candidatura da empresária Nicolle Barbosa ao governo do Estado.

Com informações do jornal O Estado


Curtir: