Mensalão

Em artigo, Dirceu diz que 2012 foi o ano da farsa político-jurídica

Em artigo, Dirceu diz que 2012 foi o ano da farsa político-jurídica

Condenado a 10 anos e 10 meses de prisão no processo do mensalão, o ex-ministro José Dirceu afirmou em artigo divulgado na sexta-feira (28) que 2012 foi o ano da “concretização de uma farsa político-jurídica e midiática”.

Sem provas
No texto, publicado no blog do jornalista Ricardo Noblat, do jornal “O Globo”, ele acusa o STF (Supremo Tribunal Federal) de ter “trilhado o caminho do julgamento eminentemente político” e volta a dizer que foi condenado sem provas.

“Nessa esteira, cometeu-se toda a sorte de inovações jurídicas: do ineditismo de um julgamento com dezenas de réus sem a possibilidade de duplo grau de jurisdição à utilização parcial de uma teoria jurídica para a dispensa de provas, na qual o próprio autor apontou equívocos de interpretação em sua adoção”, escreve.

Leia ainda:
STF condena José Dirceu a 10 anos e 10 meses de prisão por Formação de Quadrilha e Corrupção Ativa
STF pune o cearense José Genoino com 6 anos e 11 meses de prisão 
Mensalão: Delúbio tem penas de quase nove anos de prisão

De Barbosa a Lula
Dirceu critica também o relator da ação, ministro Joaquim Barbosa. “Forjou-se um herói nacional, não pelas massas e movimentos sociais, mas das letras e imagens midiáticas.” Segundo Dirceu, o objetivo dessa “farsa” era “atingir o projeto de desenvolvimento do país iniciado com a chegada do companheiro Lula à Presidência da República”.

Condenado
Ele diz que os objetivos só seriam alcançados com um “desfecho pré-conhecido”: “minha condenação como mentor de um inexistente esquema de compra de votos no Congresso Nacional”.

Imprensa
O ex-ministro diz também que os meios de comunicação –que diz serem um “poder sob forte monopólio e ainda controlado pelas velhas oligarquias”— pressionaram o Judiciário para ele “exibisse ao país a prova incontestável de que a era da impunidade acabou”.

Eleição
O petista criticou ainda a data do julgamento, cujo início coincidiu com o período eleitoral, e voltou a dizer que não existiu “relação entre o voto parlamentar e o suposto ato da compra desse mesmo voto”.

O inocente
Ele encerra o texto dizendo que seguirá lutando para provar sua inocência. “Após o ano da concretização de uma farsa, que 2013 seja o ano do ressurgimento da verdade.”

Com informações da Folha.com


Curtir: