Em Brasília

Em mensagem ao Congresso, Bolsonaro defende harmonia e pede prioridade a pauta econômica

Em mensagem ao Congresso, Bolsonaro defende harmonia e pede prioridade a pauta econômica. Mensagem foi entregue por Onyx Lorenzoni

Após um ano marcado por quedas de braço, o presidente Jair Bolsonaro defendeu nesta segunda-feira (3) uma relação harmônica entre o Executivo e o Legislativo e destacou a pauta econômica como prioridade para 2020.

Em mensagem de abertura do ano legislativo, o presidente destacou que apenas a união entre o Executivo e o Legislativo poderá construir um país “grande” e “justo” e agradeceu “imensamente” o Congresso pelas propostas aprovadas no ano passado.

O texto foi entregue ao presidente do Congresso, Davi Alcolumbre (DEM-AP), pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e lido pela primeira-secretária da Câmara dos Deputados, Soraya Santos (PL-RJ). O presidente, que cumpre agenda em São Paulo, não compareceu à cerimônia.

“O Brasil já mudou e agradecemos imensamente ao Congresso Nacional por construir conosco este novo momento”, disse. “Em 2020, continuaremos trabalhando em prol do nosso Brasil e da nossa democracia. Esperamos e confiamos que a voz da população brasileira seja ecoada no Congresso e que seus anseios prevaleçam, acima de tudo”, acrescentou.

No discurso, o presidente ressaltou que, neste ano, projetos do governo “precisam da devida apreciação e votação” para que o poder público atenda “às legítimas aspirações da sociedade brasileira”. Ele citou como exemplos a reforma tributária, a independência do Banco Central, a privatização da Eletrobras e as propostas do Pacto Federativo e dos Fundos Públicos.

“Os números mostram que caminhamos para um ambiente fértil de emprego e prosperidade. Melhoramos o ambiente de negócios proporcionando mais oportunidades para que os empreendedores prosperem. Com isso, já começamos a melhorar a geração de emprego e renda”, disse.

Esvaziado
Para a sessão legislativa, houve um esforço dos líderes partidários para mostrar a volta aos trabalhos numa segunda-feira, dia atípico para o Congresso, mas o resultado foi um plenário esvaziado de parlamentares. Além disso, o líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO), e o Secretário de Governo, general Luiz Eduardo Ramos, responsáveis pela articulação entre Planalto e Congresso, trocaram a cerimônia simbólica por acompanhar Bolsonaro em evento institucional na rede de televisão Bandeirantes, em São Paulo.

Com informações da Folha


Curtir: