Ceará
Atualizado em: 02/07/2011 - 12:58 pm

Moraizinho: O esquema de desvio de verbas envolveria outros políticos. Foto: reprodução do vídeo da revista Época

O empresário Raimundo Moraes Filho,  conhecido como Moraizinho, está preso há cerca de 45 dias em uma delegacia de Fortaleza. O local não foi revelado por questões de segurança, por orientação da Polícia e do Ministério Público.

A informação sobre a prisão do empresário foi publicada pelo O Povo neste sábado (2). Em entrevista, ele teria admitido ao jornalista que realmente participou de alguns esquemas fraudulentos de licitações em prefeituras do Ceará.

Ele afirma, no entanto que não é o único responsável por todas as irregularidades descobertas pelo Ministério Público e que, da forma que ele agiu, há outros “Moraizinhos” agindo também para se beneficiar do dinheiro público.

Sobre os prefeitos envolvidos nos escândalos, que se defendem dizendo que foram ludibriados por donos de construtoras, Moraisinho afirmou que estes gestores estariam mentindo pois, segundo afirmou, não existe prefeito “burro”. O acusado teria revelado também que tem medo de morrer e que já foi ameaçado de morte. Ele disse ainda que precisa tomar remédio controlado para diminuir a tensão.

“Moraizinho”
No dia 29 de junho, durante a reunião da Associação dos Prefeitos do Ceará com o Ministério Público Estadual, o promotor de justiça Luiz Alcântara afirmou que o número de municípios que contrataram empresas ligadas ao esquema de corrupção supostamente montado pelo empresário Raimundo Morais Neto, conhecido como “Moraizinho”, para fraudar licitações e desviar recursos de prefeituras cearenses, é ainda maior do que o identificado inicialmente pelo Ministério Público.

No entanto, e mesmo com a insistência dos jornalistas, o promotor não revelou nomes e sequer confirmou o número de municípios envolvidos no suposto esquema para “evitar constrangimentos”. Luiz Alcântara disse que não há falta de transparência e que o levantamento será divulgado assim que for concluído.

Pra relembrar
Declarações do empresário “Moraizinho” causaram polêmica na campanha eleitoral de 2010. O esquema denúnciado agora pelo Ministério Público Estadual já havia sido revelado por revistas de circulação nacional como a Veja e a Época. O detalhe é que, no período eleitoral, as denúncias ligavam o desvio de verbas ao candidato à reeleição, Cid Gomes (PSB) e ao então deputado federal, Ciro Gomes (PSB). 

Abaixo, resgato uma das muitas notícias divulgada naquele período. Acompanhe:

O pivô do escândalo de corrupção que supostamente envolveria o governador do Ceará, Cid Gomes (PSB), o deputado federal Ciro Gomes (PSB) e o deputado estadual Zezinho Albuquerque (PSB) em um esquema de desvio de R$300 milhões de prefeituras cearenses, aparece um vídeo publicado pelo site da revista Época.   

Sob o título “Operador entrega esquema no Ceará”, a reportagem traz um vídeo em que o empresário Raimundo Morais Filho diz que foi o “operador” das empresas “junto ao deputado (estadual) Zezinho Albuquerque” em 2003.

A revista disse ainda que:

“Moraisinho, como é conhecido no Ceará, é aliado do governador Cid Gomes. Já foi candidato a prefeito de Madalena, cidade do interior do Estado. Agora, Morais é apontado pela Polícia Federal e pelo Ministério Público como o operador de um esquema que fraudou licitações e desviou verbas do Ministério da Integração Nacional transferidas para prefeituras do Estado. O esquema teria vigorado, principalmente, na gestão do deputado Ciro Gomes (PSB), irmão do governador Cid, entre 2003 e 2006. Candidato à reeleição, Cid Gomes lidera com folga as pesquisas de intenção de voto. De acordo com pesquisa Datafolha feita entre os dias 9 e 10 de setembro, Cid tem 58% contra 16% de Lúcio Alcântara (PR).

ÉPOCA teve acesso a uma gravação em que Morais discute com advogados a melhor estratégia para revelar as irregularidades. De acordo com os investigadores, concorrências públicas realizadas por prefeituras eram direcionadas para empresas de Morais. Ele se apropriava de 4% do valor dos contratos e entregava outra parte a políticos ligados a Cid Gomes. No vídeo, Morais confirma tudo isso. Morais é detalhista. Em determinado momento, ele pede para interromper a gravação porque está preocupado em ser exato nas datas que cita e quer “fazer direito”.

O advogado Paulo Goyaz é uma das pessoas que participou da reunião, realizada no primeiro semestre deste ano. De acordo com Goyaz, Raimundo Morais decidiu registrar a gravação porque temia sofrer retaliações. Morais planejava tornar-se um réu colaborador da Polícia Federal. Mas foi descartado, por enquanto. A polícia apreendeu HDs dos computadores das empresas de Morais e prefere analisar os dados antes de fazer um acordo de delação premiada com ele. Cid e Ciro Gomes negam envolvimento com as irregularidades apontadas por Morais”.

Confira o vídeo:

Na mesma época, a assessoria da campanha de Cid Gomes reafirmou que o candidato à reeleição não tem qualquer contato com o empresário Raimundo Morais Filho. Já a assessoria do deputado Ciro Gomes disse que o parlamentar não iria se pronunciar sobre o assunto.

Em contato com a assessoria do deputado estadual Zezinho Albuquerque, uma pessoa que trabalha para o parlamentar atendeu o celular pessoal dele e disse o deputado entraria em contato com a TV Jangadeiro posteriormente.

Com informações do O Povo e da revista Época

Siga-nos e curta-nos:
RSS
Follow by Email
Twitter
Visit Us
Follow Me