Eleições 2014

Eunício pode tirar siglas de Cid e dividir palanque com Tasso, Moroni e Roberto Pessoa

Eunício pode tirar siglas de Cid e dividir palanque com Tasso, Moroni e Roberto Pessoa
Eunício pode tirar siglas de Cid e dividir palanque com Tasso, Moroni e Roberto Pessoa

Na reta final das articulações eleitorais, o senador Eunício Oliveira, do PMDB, avança na estratégia de garantir aliados para a disputa pelo governo do Ceará. As negociações acontecem em Brasília, com as cúpulas nacionais de partidos como PSDB, PR, Democratas e PPS.

Nesta quarta-feira (25), Eunício teve encontro reservado com José Agripino (DEM) e Aécio Neves (PSDB). Na conversa, ficou acertada aliança entre PSDB, Democratas e PMDB. As articulações mudam a todo o instante e novas conversas devem acontecer ainda nesta quarta-feira, mas caso as tratativas iniciais sejam mantidas, Eunício dará palanque ao tucano Aécio Neves, no Ceará, na corrida presidencial.

Tasso e Moroni
A composição “dos sonhos” de Eunício é formada pelo senador, na cabeça de chapa, com Roberto Pessoa na disputa pela vaga de vice-governador e Tasso Jereissati  com a candidatura ao Senado da República. Chiquinho Feitosa, do DEM, seria o primeiro suplente de Tasso.

A participação de Moroni na eleição, no entanto, causa um certo embaraço ao democrata uma vez que já existia um acordo anterior liberando Moroni, mesmo em caso de coligação do DEM com outras legendas, para subir no palanque de Cid Gomes. Confirmado o fechamento da composição PMDB, PSDB, PR, PPS e DEM, Moroni ficará impedido, por orientação nacional, de pedir votos para o grupo de Cid Gomes.

PPS
No caso do PPS, a orientação nacional impede a coligação com grupos que incluem o PT na chapa majoritária. Caso José Guimarães fique com a vaga para disputar o Senado, a legenda comandada no Ceará pelo secretário de Desenvolvimento do Estado, Alexandre Pereira, também será obrigada, pode determinação superior, a deixar o grupo cidista.

Moroni para o Senado
PPS e DEM chegaram, inclusive, a articular uma composição, que seria anuncia hoje na convenção do PPS do Ceará, que colocaria Moroni Torgan como possível candidato ao Senado, numa alternativa para os aliados de Cid que não concordam com a indicação de Guimarães ao Senado. A proposta seria apresentada a Cid Gomes, mas com os últimos acontecimentos no meio político, o anúncio foi suspenso.

Baixa
Do lado de Cid Gomes, a composição resulta em pelo menos duas baixas. PPS e DEM fazem parte da base de apoio do governo Cid e estão entre os 23 partidos citados pelo Pros na composição da futura coligação eleitoral governista. As tratativas nacionais, no entanto, podem tirar as duas legendas de Cid, aumentando a base de Eunício Oliveira.

Sem tempo
A estratégia do governador Cid Gomes que, por um lado, deixa os partidos sem tempo para barganhas, colocando as definições para o fim do prazo, por outro lado, acaba por promover uma saia justa em lideranças que gostariam de permanecer no palanque cidista mas se vêem pressionados a seguir o comando nacional e sem tempo para negociar e convencer as cúpulas partidárias.


Curtir: