Bastidores

Geddel tentou intervir na Cultura até a véspera da queda de ministro

Marcelo Calero pediu demissão do Ministério da Cultura. Foto: Lúcio Bernardo Jr./Câmara dos Deputados
Marcelo Calero pediu demissão do Ministério da Cultura. Foto: Lúcio Bernardo Jr./Câmara dos Deputados

Na última quinta-feira (17), em seu gabinete no quarto andar do Palácio do Planalto, o ministro Geddel Vieira Lima, da Secretaria de Governo, estava contrariado com parecer do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (Iphan) que se posicionava contra a construção de um empreendimento imobiliário perto do centro histórico de Salvador.

Segundo relatos, Geddel tentou de forma enfática por meio de um telefonema reverter a decisão do órgão ligado ao Ministério da Cultura, responsável pela preservação do patrimônio cultural brasileiro.

Gota d’água
A pressão de Geddel para mudar o parecer do Iphan que proibia a construção de mais andares foi a gota d’água para o diplomata de carreira Marcelo Calero pedir demissão do comando do Ministério da Cultura, segundo o agora ex-ministro relatou ao jornal “Folha de S.Paulo”. Ou seja, Calero saiu um dia depois de Geddel tentar intervir na decisão do Iphan nacional que contrariava parecer da superintendência local do órgão na Bahia.

Ele nega
Procurado, Geddel negou que tenha tido desentendimento com Marcelo Callero. “A última vez que nos encontramos, falamos rapidamente. Estava saindo do jantar com senadores no Palácio da Alvorada e ele estava chegando. Não há qualquer desentendimento”, disse, ao Blog do Camaroti, o ministro da Secretaria de Governo.

Opa!
Questionado especificamente sobre o episódio envolvendo o Iphan da Bahia, Geddel fez críticas. “Em um momento de crise econômica, não dá para o Iphan ficar barrando obras que estimulam a economia”, enfatizou.

Com informações do G1


Curtir: