Nacional

Gilmar Mendes autoriza abertura de inquérito para investigar Aécio Neves

Senador é apontado pela PGR como suspeito de irregularidades em Furnas. Ministro autorizou desarquivamento de citação feita por Alberto Youssef
Senador é apontado pela PGR como suspeito de irregularidades em Furnas. Ministro autorizou desarquivamento de citação feita por Alberto Youssef

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, acolheu pedido da Procuradoria Geral da República e autorizou abertura de um inquérito para investigar o senador Aécio Neves (PSDB-SP) em razão de irregularidades em Furnas.

Mendes também permitiu o desarquivamento da citação feita pelo doleiro Alberto Yousseff sobre o parlamentar, conforme pedido do procurador-geral da República Rodrigo Janot.

O doleiro disse que Aécio dividia uma diretoria de Furnas com o PP e que ouviu isso do ex-deputado José Janene. E que também ouviu que o senador recebia valores mensais, por meio da irmã, de uma das empresas contratadas por Furnas.

Propina
A suposta propina ao parlamentar teria sido paga entre 1996 e 2001. O procurador quer investigar o senador por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Autorizado
O ministro autorizou ainda as diligências pedidas pela PGR, que devem ser cumpridas pela Polícia Federal em até 90 dias: depoimento de Aécio, do ex-diretor de Furnas, Dimas Toledo, juntada de investigação sobre Furnas feita pela Polícia Federal.

Lava Jato
Na última terça, o ministro Teori Zavascki entendeu que a investigação não tinha relação com o esquema de corrupção na Petrobras, apurado na Operação Lava Jato, e enviou o pedido para o presidente do Supremo, Ricardo Lewandowski, determinar sorteio para novo relator.

Delação de Delcídio
Rodrigo Janot afirmou que a delação de Delcídio e elementos de convicção dela decorrentes “constituem indubitavelmente provas novas a exigirem o desarquivamento menção feita por Yousseff”. Janot cita que, segundo Delcídio e Youssef, a irmã de Aécio tinha empresas em seu nome na época dos fatos. E que a Operação Norbert, feita no Rio de Janeiro pela Polícia Federal, apontou que diversas pessoas, valendo-se de doleiros, criaram empresas para manter e ocultar valores no exterior, “inclusive na Suíça e no Principado de Liechtenstein, na Europa”.

Com informações do G1


Curtir: