Nacional

Governo promete atendimento médico a 11 milhões de alunos a partir de março. Verdade ou promessa pré-eleitoral?

A presidente Dilma Rousseff anunciou, nesta segunda-feira (23) no programa semanal de rádio “Café com a Presidenta”, que, a partir de março deste ano, cerca de 11 milhões de estudantes das escolas públicas brasileiras serão avaliadas por médicos, enfermeiros e dentistas das unidades básicas de saúde. O que levanta a dúvida sobre como essas equipes de profissionais serão formadas. Comento ao final do post.

Vacinação
Outro projeto do governo é envolver os pais no combate à obesidade infantil, problema que afeta um quinto das crianças brasileiras, segundo dados do Ministério da Saúde. As alterações no programa de vacinação infantil, que ocorrem a partir de agosto, também foi outro assunto discutido pela presidente.

A vacina contra a Pólio, conhecida como Paralisia Infantil, será injetável nas duas primeiras doses para bebês e crianças. Entretanto, a dose oral, com a campanha do Zé Gotinha, vai continuar para manter a proteção de crianças até cinco anos de idade. Outra alteração no calendário de vacinação se refere à vacina pentavalente, uma soma da vacina contra hepatite B e tetravalente. A pentavalente vai agora proteger crianças contra cinco doenças: o tétano, a difteria, a coqueluche, a hepatite B e um tipo de meningite grave. A presidente lembrou também que a meta do governo é investir R$ 7,6 bilhões para construir 6 mil escolas de educação infantil até 2014.

Comento
Vacinação ok. Mas como atender 11 milhões de estudantes de escolas públicas? Serão formadas novas equipes de médicos, dentistas e enfermeiros para este atendimento específico? Não se tem notícia disto.

Fica a torcida para que a proposta realmente funcione, mas, em ano eleitoral, esse tipo de promessa chama atenção. Vale lembrar que aqui mesmo no Ceará Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), bastante comemoradas pelo governo, e Hospitais foram inaugurados e seguem sem prestar atendimento à população justamente por falta de médicos.

A dificuldade em  contratar profissionais de saúde, sobretudo para atuar em municípios do interior, é uma realidade.

Do discurso à prática existe uma distância enorme. Nós, cearenses e brasileiros, sabemos bem como essas promessas terminam. Que seja diferente! Aguardamos as águas de Março para saber se, desta vez, alunos e pais poderão comemorar o avanço anunciado.

Leia ainda:
Em mais uma visita ao Ceará, Ministro da Saúde lança programa enquanto obras inauguradas por ele seguem sem funcionar   
Policlínica inaugurada por Dilma em Pacajus continua sem funcionar   
Deputados visitam UPA de Maranguape que segue fechada mesmo após inauguração  
Pacientes sem remédios relatam descaso com a saúde pública no Ceará 
Homem morre na calçada da Santa Casa de Misericórdia à espera de atendimento

Redação Jangadeiro Online, com informações da Agência Brasil