Greve

Governo se reúne com policiais e bombeiros na próxima sexta-feira

Manifestantes ficaram agrupados em quartel durante greve

Representantes do Governo do Estado devem receber entidades representativas de policiais e bombeiros militares na próxima sexta-feira (3), a partir das 14h, na Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag). O objetivo do encontro é dar continuidade às negociações com a categoria, como foi acordado durante a paralisação dos servidores no dia 3 de janeiro.

Serão discutidas questões como a análise da Campanha Salarial de 2012 a 2014, adequação do auxílio alimentação, implantação de promoções compensatórias e reformulação do Código de Ética da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros, com o intuito de combater o assédio moral.

Ainda não foi confirmada a presença do governador Cid Gomes (PSB) na reunião.

Greve
Os Policiais e Bombeiros decidiram paralisar as atividades no dia 29 de dezembro de 2011 após uma assembleia geral da categoria que aconteceu no Ginásio da Parangaba. Após a decisão, a categoria se concentrou e acampou em frente à 6ª Companhia do 5º Batalhão, no bairro Antônio Bezerra, em Fortaleza. Cerca de 130 viaturas tiveram os pneus esvaziados e mais três mil homens paralisaram as atividades em todo o Ceará.

A decisão às vésperas do Réveillon fez com que o Governo do Estado solicitasse a presença de reforço da Força Nacional de Segurança e Exército para suprir o efetivo de policiais militares que deflagraram a greve. No dia 30, o governador Cid Gomes decretasse situação de emergências em todo o Estado do Ceará. A decisão foi tomada, pois a situação foi considerada de anormalidade e instabilidade face ao cometimento de crimes e infrações disciplinares dos militares da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros Militares.

Com a paralisações dos policiais, bombeiros e batalhão de choque, os bandidos aproveitaram a vulnerabilidade na segurança para realizar diversos arrastões na noite do dia 2 de janeiro, nos bairros de Fortaleza. A sensação de insegurança e os boatos de arrastões fez com que o comércio adotassem informalmente um toque de recolher. Quem passava pelas ruas de Fortaleza e Região Metropolitana tinha a sensação de que o dia 3 de janeiro era feriado.

Sem o apoio da polícia, Polícia Rodoviária Estadual (PRE), AMC, Samu, Coelce, Correios, Tribunal de Justiça, Blitze do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), Agências Bancárias e Ministério Público. A Prefeitura orientou as escolas e Postos municipais fecharam as portas. A Av João Pessoa foi bloqueada com 22 ônibus que tiveram os pneus esvaziados. Na manhã desta terça a cidade ficou parada.

Leia mais:
Veja infográfico comparativo dos movimentos grevistas no Ceará em 2012
Greve da PM: Cerca de 3 mil homens estão paralisados em todo Ceará

Chances de nova greve da PM “são mínimas”, diz liderança da categoria

Redação Jangadeiro Online, com informações da Aspramece