Ceará

Férrer entrega documentos sobre denúncias no caso dos “consignados” ao governador Cid Gomes

Heitor Férrer (PDT) leva documentos ao Palácio da Abolição nesta terça

O deputado estadual Heitor Ferrer (PDT) levou até o Governador do Estado, Cid Gomes (PSB), uma série de documentos que fazem parte das denúncias sobre o esquema dos empréstimos consignados oferecidos aos servidores do públicos estaduais. O material foi entregue nesta terça-feira (20) no setor de protocolo do Palácio Abolição, sede do governo do Ceará.

As denúncias começaram no mês de setembro deste ano quando parlamentares apresentaram um suposto esquema de favorecimento a uma empresa de Luís Antônio Ribeiro Valadares, genro do Secretário Chefe da Casa Civil,  Arialdo Pinto. A Promus liberava empréstimos aos servidores do governo o que gerava lucro mensal da ordem de R$ 10 milhões.

Documentos
Dentre os documentos que foram encaminhados ao governador estão o contrato de prestação de serviços da Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag) e a empresa Administradora Brasileira de Cartões (ABC), que firmou a parceria com a Promus; notificação extrajudicial da Promus descredenciando a empresa de oferecer serviços de busca de empréstimos consignados e cópias dos documentos de uma servidora usados no intermédio de um empréstimo pela empresa, com taxa efetiva mensal de 2,79%, quando o valor de mercado é 1,4%.

De acordo com o deputado Heitor Férrer, o objetivo da ação é fazer com que Cid Gomes tome conhecimento oficial das denúncias, além de pedir o fim do suposto beneficiamento de terceiros neste sistema de empréstimos aos servidores cearenses. O deputado também solicita uma resposta oficial a respeito do material apresentado.

Entenda a denúncia
A ABC (Administradora Brasileira de Cartões S.A.) venceu a licitação do governo para operar os empréstimos consignados aos servidores estaduais. Mas para fazer esse serviço em seu lugar, indicou a PROMUS, empresa que pertence a Luis Antonio RiberiroValadares, conhecido como “Zé do gás”, genro do secretário Chefe da Casa Civil do governo.

Além da Promus, o serviço de empréstimo consignado também é oferecido aos servidores por alguns correspondentes bancários, cerca de 14, que podem ser empresa ou pessoa física. A Promus opera com o nome fantasia de cartão único. Para cada empréstimo contraído pelo servidor através do cartão único, a Promus ganha 19% de comissão, segundo denúncia feita pelo deputado Heitor Férrer (PDT).

A Promus também recebe o mesmo percentual de comissão para os empréstimos fechados através dos correspondentes bancários, o que provaria que a empresa do genro de Arialdo Pinho detém o controle exclusivo sobre os empréstimos consignados no Estado, com o banco Bradesco e com a Caixa Econômica Federal.

Ainda de acordo com a denúncia, os consignados movimentariam cerca de R$ 50 milhões por mês, o que renderia à Promus em torno de R$ 10 milhões mensais.

Leia mais:
Denúncia sobre Sistema dos Consignados repercute entre servidores e deputados
MP solicita envio de documentos para prosseguir investigações dos empréstimos consignados

Dia Internacional de Combate à Corrupção é comemorado em diversas regiões do Brasil

Redação Jangadeiro Online