Nacional

Homem faz refém em hotel em Brasília, pede a aplicação da ficha limpa e extradição de Cesare Battisti

Homem faz refém em hotel em Brasília, pede a aplicação da ficha limpa e extradição de Cesare Battisti. Foto: aredação
Homem faz refém em hotel em Brasília, pede a aplicação da ficha limpa e extradição de Cesare Battisti. Foto: aredação

Um homem faz um funcionário de um hotel refém desde a manhã desta segunda-feira no Setor Hoteleiro Sul, região central de Brasília. Afirmando ser um terrorista, o sequestrador colocou um colete com supostos explosivos na vítima e ameaça detoná-los no hotel St. Peter. Ele ameaça ainda a vítima com uma pistola. 

Três homens da Polícia Civil tentam negociar a rendição do sequestrador, que, pede a aplicação imediata da lei ficha limpa e extradição de Cesare Battisti.

Prazo
O sequestrador deu um prazo até às 18 horas para aceitarem as exigências. Ele aparenta estar mais nervoso, e jogou algo que parecia ser uma bolinha de papel em uma das vezes que saiu na sacada.

Hóspede
O homem, que se hospedou no St. Peter às 6 horas desta segunda-feira, está em um quarto do 13º andar do hotel e leva o refém com frequência para a sacada. O funcionário, que aparenta ter cerca de 60 anos, mostra as algemas para fotógrafos e cinegrafistas que estão em frente ao prédio.

Explosivo
A polícia, até agora, não conseguiu identificar se o artefato amarrado ao refém é explosivo. “Se for, é uma quantidade grande de explosivo, que poderia causar danos à estrutura do hotel”, diz o delegado Paulo Henrique Almeida, diretor de Comunicação da polícia. Os negociadores tentam convencer o sequestrador que sua integridade física será garantida caso ele se entregue.

Carta
Policiais encontraram no Tocantins uma carta de despedida escrita pelo sequestrador há três dias na qual pede desculpas para a família e amigos. Ele avisa, no texto, que cometerá um ato desesperado porque quer mudar o panorama político do Brasil. Afirma ainda que “depois da tempestade vem a bonança”.

Evacuação
Os hóspedes do St. Peter foram comunicados por volta de 9h30 que deveriam evacuar o hotel. “Por volta de 9h30 eu estava no quarto e pediram para sair rápido por causa de um vazamento de gás. (…) No térreo que ficamos sabendo que um sujeito fez refém uma camareira e que um mensageiro do hotel teria se colocado no lugar”, relatou o médico Yoshio Asanuma, que participava de um congresso de cardiologia no hotel.

Dirceu
O hotel St. Peter é o estabelecimento que ofereceu emprego ao ex-ministro José Dirceu em 2013, com um salário de R$ 20 mil. Dirceu, condenado no processo do mensalão, está preso no Complexo da Papuda, em Brasília. Na época, a TV Globo denunciou que o hotel era presidido por um “laranja”: José Ritter, que mora em um bairro pobre do Panamá.

Com informações do Portal Terra


Curtir: