Polêmica
Atualizado em: 15/07/2011 - 7:03 pm

Prefeito de Ibaretama, Francisco Edson de Moraes

O juiz convocado Luiz Evaldo Gonçalves Leite, do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE), determinou o afastamento do prefeito de Ibaretama, Francisco Edson Morais, e de outras quatro pessoas da administração pública daquela cidade.

Além disso, o magistrado determinou a quebra dos sigilos bancário e fiscal dos servidores e de outros envolvidos.

“No caso em exame, presente está o interesse público, pois, não é dado olvidar existirem fatores de alta relevância para o erário, para o Executivo e para a sociedade, a determinar a apuração de todos os fatos que envolveram os apontados desvios e o destino dado ao dinheiro público”, destacou o magistrado.

Leia mais:
MP pede a prisão do prefeito de Ibaretama

Ao todo, 21 pessoas foram denunciadas pelo Ministério Público (MP) estadual por formação de quadrilha, falsificação de documento público, peculato desvio, inserção de dados falsos em sistema de informações, fraude em licitação e lavagem de dinheiro. Segundo o MP, a suposta rede de influência naquela municipalidade foi constatada após investigação realizada conjuntamente com a Polícia Federal e o Tribunal de Contas dos Municípios (TCM).

Esquema
O órgão afirma que diversas licitações eram direcionadas para empresas diretamente ligadas ao prefeito e ao seu irmão, Raimundo Rodrigues Filho, secretário de obras municipal. Os processos fraudados, ainda de acordo com a instituição, destinavam-se, principalmente, ao setor de locação de veículos e coleta de lixo e execução de serviços e obras de engenharia. “Eram utilizadas empresas constituídas por familiares e/ou empregados com vínculo de subordinação, ou apenas simples ajuste/conluio entre os denunciados”.

Ao analisar o caso, o juiz convocado Luiz Evaldo Gonçalves Leite determinou o afastamento do prefeito e de outros quatro acusados dos respectivos cargos públicos durante o prazo da instrução criminal. Também determinou a quebra dos sigilos bancário e fiscal do gestor de Ibaretama e outras dez pessoas denunciadas.

Eles terão prazo de 15 dias, improrrogável, para apresentar defesa preliminar. Depois disso, será analisado o pedido de prisão preventiva formulado pelo Ministério Público. A decisão foi proferida nessa terça-feira (12/07).

Com informações do TJCE

Siga-nos e curta-nos:
RSS
Follow by Email
Twitter
Visit Us
Follow Me