Polêmica

Justiça tranca ação em que Ciro Gomes era acusado de injúria e difamação; O ex-deputado chamou grevistas de “marginais fardados”

Justiça tranca ação em que Ciro Gomes era acusado de injúria e difamação; O ex-deputado chamou grevistas de "marginais fardados". Na foto, ele aparece durante entrevista ao programa Além da Notícia, da TV Jangadeiro
Justiça tranca ação em que Ciro Gomes era acusado de injúria e difamação; O ex-deputado chamou grevistas de “marginais fardados”. Na foto, ele aparece durante entrevista ao programa Além da Notícia, da TV Jangadeiro

A 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) decidiu trancar a ação penal contra o ex-deputado federal Ciro Gomes, acusado de injúria e difamação por ter chamado os policiais militares que integraram o movimento grevista em janeiro de 2012 de “marginais fardados e covardes”. A decisão foi proferida na terça-feira (22/01).

Relembre aqui:
Greve da PM: Ciro fala em “conchavo”, chama policiais de “marginais” e “covardes” e diz que Cid foi coagido     
Policiais reagem às declarações e sugerem que Ciro faça pesquisa para saber quem é “bandido”  

Queixa
Conforme o processo, durante greve da Polícia Militar do Estado, ocorrida em janeiro de 2012, Ciro Gomes afirmou que integrantes do movimento seriam “marginais fardados aliados com traficantes e covardes”. Por essa razão, em março daquele ano, Ana Paula Brandão da Silva, que ocupa o cargo de soldado da PM, apresentou queixa-crime por injúria e difamação.

Defesa
A defesa do ex-deputado ingressou com habeas corpus no TJCE, requerendo o trancamento do processo. Alegou não ter havido a intenção de ofender a policial militar.

Por fim
Ao analisar o caso, a 1ª Câmara Criminal atendeu o pedido. Segundo o relator do processo, desembargador Francisco Gomes de Moura, ficou “evidente que declarações não foram dirigidas à pessoa da soldado Ana Paula, havendo, portanto, a ausência do animus específico e dirigido de ofender, exigido para a caracterização dos crimes contra a honra”. O voto foi acompanhado por unanimidade.

Com informações do TJCE


Curtir: