Nacional

Lava Jato: João Santana e Mônica ficam calados ao depor em Curitiba

Marqueteiro do PT teve prisão decretada na 23ª fase da Lava Jato
Marqueteiro do PT teve prisão decretada na 23ª fase da Lava Jato

O publicitário João Santana e a mulher dele, Mônica Moura, ficaram em silêncio ao depor nesta quinta-feira (10) na sede da Polícia Federal, em Curitiba. O casal é investigado na Operação Lava Jato por suspeita de receber dinheiro do esquema de corrupção na Petrobras.

O depoimento começou às 10h e durou cerca de uma hora e meia. Foi a primeira vez que Santana e Mônica depuseram desde que o juiz Sergio Moro converteu as prisões temporárias em preventivas, sem prazo para liberação.

Dropbox
Durante o interrogatório, o publicitário se manifestou apenas para negar que tenha sido o responsável pela exclusão de sua conta no Dropbox, um serviço de armazenamento de arquivos na nuvem. A eliminação da conta fora interpretada por Moro como indício de tentativa de obstrução da investigação e motivou a prisão preventiva do casal.

Conta
Em fevereiro, ao serem presos, Santana e Mônica admitiram ter uma conta bancária não declarada fora do Brasil. Segundo o casal, no saldo estavam depositados pagamentos referentes a campanhas políticas feitas no exterior. Dentre esses pagamentos, figuravam US$ 3 milhões de offshores ligadas à empresa Odebrecht e US$ 4,5 milhões de Zwi Skornicki, apontado pelas investigações como um dos principais operadores do esquema de corrupção na Petrobras.

Marqueteiro
João Santana foi marqueteiro da campanha de reeleição do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2006, e das duas campanhas da presidenta Dilma Rousseff.

Com informações da EBC


Curtir: