Nacional

Lupi diz que só deixa o cargo se for “abatido a bala”

Assessores de Carlos Lupi teriam recebido propina, segundo a denúncia

Alvo de denúncias de corrupção, o ministro do Trabalho, Carlos Lupi, afirmou que tem o apoio “total” da presidente Dilma Rousseff (PDT) e de seu partido, o PDT, para continuar no cargo. Durante entrevista coletiva encerrada na tarde desta terça-feira (08), Lupi, que é presidente licenciado do PDT, avisou que para tirá-lo do cargo, “só abatido a bala e tem que ser bala forte, porque eu sou pesadão”.

Questionado sobre a confiança de Dilma nele, o ministro declarou que “duvida” que a presidente o tire do cargo. Já o líder do PDT na Câmara, Giovani Queiroz (PA), avisou que, se Lupi for demitido, o PDT deixa a base aliada ao governo.

“Com (a eventual saída do) o ministro Lupi, sai o PDT”, declarou Giovani Queiroz, que acompanhou a coletiva ao lado de Lupi, assim como o líder da bancada no Senado, Acir Gurgacz (RO), a fim de demonstrar a unidade do partido em torno de seu dirigente.

Sobre a confiança de Dilma nele, Lupi afirmou que, em conversa reservada com a presidente, ela lhe transmitiu apoio para que ele esclarecesse as denúncias sem se afastar do cargo. “Ela me perguntou se eu lutaria até o fim e eu respondi que não vou desistir nunca”, declarou. Ainda segundo o ministro, Dilma ainda não deu uma declaração pública de confiança nele “porque não precisa”. Mas depois de declarar que “duvida” que Dilma o demita, Lupi retificou, dizendo que “é pouco provável” que isso ocorra.

Denúncias
Lupi insistiu que não existe nenhuma denúncia de corrupção envolvendo o nome dele, mas não descartou irregularidades envolvendo servidores da Pasta. Segundo ele, são mais de dez mil funcionários e, por isso, não há como controlar as ações de todos. O ministro salientou, entretanto, que o Ministério do Trabalho é o único que faz “chamadas públicas” para controlar os convênios da Pasta com ONGs desde 2008. Mas admitiu que o sistema de acompanhamento dos contratos é “frágil” e prometeu fazer um mutirão até o fim do ano para atualizar o cumprimento de todos eles. Tentando demonstrar segurança e bom humor, o ministro concluiu comparando o desgaste político que atravessa com a mudança de clima: “É que nem chuva: no dia seguinte já é sol”.

Esquema
A reportagem da Veja publicada na edição desta semana afirma que caciques do PDT comandados por Lupi teriam transformado órgãos de controle da Pasta em instrumento de extorsão. Segundo a revista, a partir de relatos de diretores de ONGs, parlamentares e servidores públicos, o esquema funcionaria assim: primeiro o Ministério contrata entidades para dar cursos de capacitação profissional, e depois assessores exigem propina de 5% a 15% para resolver ‘pendências’ que eles mesmos criariam.