Câmara dos Deputados

Maioria da bancada cearense é a favor da denúncia contra Temer

Raimundo Gomes de Matos diz que “há uma sintonia” para manter Temer no governo. Foto: Divulgação

O Congresso Nacional retoma as atividades após o recesso parlamentar, nesta segunda-feira (31), quando a Câmara dos Deputados fará sessão de reabertura dos trabalhos.

Na terça, será lido o relatório do deputado Paulo Abi-Ackel, aprovado na Comissão de Constituição e Justiça, que pede o arquivamento do pedido de processo contra o presidente da República, Michel Temer, enviado à Casa pelo Supremo e pela Procuradoria-Geral da República. Na quarta, o presidente Rodrigo Maia colocará o parecer na pauta de votação.

Bancada
Deputados da bancada cearense manifestam opiniões diferentes sobre o assunto. Alguns, porém, continuam indecisos. Dos 22 deputados federais, apenas cinco disseram que irão votar pela rejeição da denúncia contra Michel Temer. Por outro lado, dez parlamentares já se posicionaram a favor e sete deputados evitam se manifestar sobre o assunto.

Oposição
O líder da oposição, José Guimarães (PT), disse que, diferente do que dizem os aliados de Temer, o governo está tentando impedir a presença dos parlamentares na data correta e tenta jogar a obrigação de conseguir quórum suficiente para os oposicionistas. Segundo ele, as legendas que não integram a base de sustentação a Temer não aceitam serem cobradas.

Por outro lado, José Guimarães foi taxativo e afirma que as estratégias de convencimento aos colegas continuam em curso, inclusive fazendo pressão em suas bases eleitorais. “O governo Temer já foi e só eles não querem ver”, disse o parlamentar, ressaltando a situação desgastante por parte dos deputados que votarem para livrar Temer, de terem de prestar contas aos seus eleitores, após a votação.

Resistência
“Nossa expectativa é de continuar na resistência contra todas as medidas anti-sociais que esse governo vem tomando. Estamos apostando que com o aumento do seu desgaste seja possível seu afastamento. E nosso esforço é que o povo seja convocado a escolher um novo governo, através de eleições diretas”, frisou a deputada Luizianne Lins (PT).

Equilíbrio

A avaliação feita pelo deputado Raimundo Gomes de Matos (PSDB), no entanto, é que, neste caso, “há uma sintonia” que deve ser mantido Temer no governo. Sem falar que, neste caso, outros pedidos sejam votados em conjunto, para não prejudicar a já fragilizada governabilidade e atrapalhar a votação de matérias importante para manter o equilíbrio econômico.

Por outro lado, lembrou que o PSDB ainda gera instabilidade, porque parte dos deputados tucanos defendem o desembarque do governo, mas, não só parlamentares, diversas lideranças políticas da legenda. Segundo ele, o senador Tasso Jereissati tem ouvido e a cada momento analisado a situação. “Não há consenso de ficar ou sair. Cada parlamentar tem seu entendimento e o partido deve não fechar questão sobre este assunto específico”, frisou ele. Gomes de Matos acredita que, até o dia 15 de setembro, poderá surgir fatos novos, que favoreça ou não o presidente Michel Temer.

Pauta
O tucano, porém, acredita que a pauta política não atrapalha a pauta legislativa, que engloba a criação do novo Refis (Programa de Recuperação Fiscal), normatização do pagamento em relação ao Fundo de Apoio ao Trabalhador Rural (Funrural) e outras medidas provisórias, além do reajustes dos agentes de saúde.

Mais
Para que a denúncia do Procurador-Geral, Rodrigo Janot, seja aceita é necessário que pelo menos dois terços do total de 513 deputados votem a seu favor. Ou seja, se 171 se manifestarem favoráveis à não adoção do processo, este será arquivado. Na verdade, a sessão pode ser aberta com o número de 51 deputados presentes no plenário. Porém, para que o tema seja votado é preciso que estejam presentes 342 parlamentares.

Placar
Veja os deputados que são contra ou a favor da denúncia

A Favor

  • André Figueiredo (PDT)
  • Ariosto Holanda (PDT)
  • Cabo Sabino (PR)
  • Chico Lopes (PCdoB)
  • José Airton (PT)
  • José Guimarães (PT)
  • Lêonidas Cristino (PDT)
  • Luizianne Lins (PT)
  • Odorico Monteiro (PSB)
  • Vitor Valim (PMDB)

Contra

  • Aníbal Gomes (PMDB)
  • Danilo Forte (PSB)
  • Domingos Neto (PSD)
  • Geneciais Noronha (SD)
  • Moses Rodrigues (PMDB)

Indecisos

  • Adail Carneiro (PP)
  • Gorete Pereira (PR)
  • Macedo (PP)
  • Paulo Lustosa (PP)
  • Raimundo Matos (PSDB)
  • Ronaldo Martins (PRB)
  • Vaidon Oliveira (DEM)

Com informações do OE


Curtir: