Onda de Manifestações

Mais uma vez: Protesto em Fortaleza termina em confronto de policiais e manifestantes

Mais uma vez: Protesto em Fortaleza termina em confronto de policiais e manifestantes
Mais uma vez: Protesto em Fortaleza termina em confronto de policiais e manifestantes

O protesto desta quinta-feira (27) na avenida Dedé Brasil, em Fortaleza (CE), terminou em confronto entre manifestantes e a Polícia Militar do Ceará. Os manifestantes se dirigiam à Arena Castelão, onde foi disputada a partida de semifinal da Copa das Confederações entre Espanha e Itália.

De acordo com a PM, 5 mil pessoas participaram da marcha. Ao todo, 84 pessoas foram detidas, segundo informação da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Estado do Ceará (SSPDS), sendo 57 maiores e 27 menores.

MST
Agricultores que teriam vindo do interior do Ceará exibiram bandeiras do Movimento dos dos Trabalhadores Rurais Sem Terra e marcharam com os manifestantes. Também estiveram presentes representantes da Associação dos Cabos e Soldados do Ceará, do Conselho Municipal de Saúde, do sindicato dos motoristas de ônibus, de trabalhadores da construção civil, e do movimento “+ Pão – Circo, Copa para Quem?”.

Confronto e carro incendiado
Perto das 14h, começaram os confrontos entre a polícia e os manifestantes. Ao passarem da primeira barreira de contenção formada pela polícia, os manifestantes foram barrados pela Tropa de Choque. Houve tumulto. Um carro de reportagem da TV Diário foi incendiado e outro, da TV Jangadeiro, acabou depredado. Um ônibus, que transportava torcedores de um dos bolsões até a Arena Castelão, também foi depredado. Os torcedores foram obrigados a descer do veículo.

Protesto
Os manifestantes protestavam contra os megaeventos, como a Copa das Confederações e a Copa do Mundo, e também reivindicavam um reforma política, 10% do Produto Interno Bruto (PIB) para a educação pública, 10% do PIB para a saúde pública. Além das pautas nacionais, o movimento pedia a criação de um fundo para obras contra a seca, redução imediata da tarifa de ônibus dos atuais R$ 2,20 para R$ 2,00, aumento salarial para os professores do ensino básico da rede estadual e ainda suspensão das obras do Acquário, equipamento turístico na Praia de Iracema, e da ponte estaiada sobre o Rio Cocó.

Excesso?
Para um dos organizadores da manifestação, Livino Neto, a ação da polícia foi excessiva. “Eles usaram muita bomba e muita bala [de borracha] hoje. O ato estava com caráter pacífico, reunindo vários movimentos. A violência policial foi muito forte, soltaram a Tropa de Choque e a Cavalaria em cima da gente”, disse.

Vídeo
Um vídeo divulgado no youtube mostra o momento em que os manifestantes se aproximam da barreira policial que responde com bombas de gás lacrimogênio. Acompanhe:

Com informações da Agência Brasil


Curtir: