Protesto

Manifestações bloqueiam ruas e avenidas de Fortaleza

Pelo menos duas faixas da BR-116, sentido Praia-Sertão, foram bloqueadas por pneus queimados. Foto: PRF
Pelo menos duas faixas da BR-116, sentido Praia-Sertão, foram bloqueadas por pneus queimados. Foto: PRF

Dia de manifestações em Fortaleza. Movimentos sociais e categorias de trabalhadores foram às ruas para protestar, nesta quinta-feira (28), contra diferentes temas. Eles bloquearam vias e se concentram em frente a prédios públicos. Pelo menos quatro grandes vias tiveram circulação de veículos impedida.

ALEC
Dezenas de pessoas protestaram na calçada da Assembleia Legislativa (AL/CE) durante a manhã desta quinta-feira (28) contra o projeto de lei que prevê redução tributária como incentivo à instalação de usinas termelétricas de gás natural no Ceará.

Estudantes e indígenas aderiram a manifestação do Sindicato dos Servidores e Empregados Públicos do Município de Fortaleza (Sindfort) e, ao contrário das demais manifestações do dia na capital cearense, este grupo não bloqueou ruas e avenidas no entorno vias em torno da AL.

Em debate
Os manifestantes afirmam que os impactos ambientais causados pela construção de mais usinas serão drásticos. Já o governo diz que o gás natural é o menos poluente combustível fóssil e, por isso, o projeto de Lei visa somente o incentivo de usinas termelétricas que usem esse tipo de insumo. O Fórum Cearense de Mudanças Climáticas e Biodiversidade recomendou a retirada da proposta no legislativo com base na ameaça da civilização humana. Enviada pelo governador Camilo Santana (PT), a mensagem pede redução de 58,8% do ICMS de empresas, com o intuito de atrair novas termelétricas para o Estado.

Sem Terra
Já os integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) ocuparam, na manhã desta quinta, a sede do Instituto de Colonização e Reforma Agrária (Incra), na avenida José Bastos, na capital cearense. O protesto, que bloqueou diversas ruas e avenidas de Fortaleza, é contra o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. A ação integra a Jornada Nacional de Luta pela Reforma Agrária.

Construção Civil
Em outra manifestação, os trabalhadores da construção civil realizaram uma homenagem às vítimas de acidentes de trabalho. O grupo bloqueou o trânsito em diversos trechos por onde passavam até a chegada final, na Praça Portugal. Ato celebrou o Dia Mundial das Vítimas por Acidentes de Trabalho. O protesto reivindicou também reajuste salarial.

Brasil
Também nesta quinta-feira (28), o MTST confirmou que há 14 bloqueios organizados só em São Paulo. Além disso a frente prepara bloqueios em Minas Gerais, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Ceará, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Paraná e Goiás.

Com informações do OE


Curtir: