Nacional
Atualizado em: 04/09/2011 - 6:53 pm

Ideli Salvatti

A ministra Ideli Salvatti (Relações Institucionais) disse no último sábado (03/09) que a proposta de reajuste do salário do Judiciário – com impacto previsto de R$ 7,7 bilhões – “não cabe no Orçamento do ano que vem”.

“O Congresso vai ter que decidir o que vai cortar: uma proposta que beneficia 100 mil pessoas ou o Bolsa Família ou o salário mínimo ou o Minha Casa Minha Vida”, afirmou Ideli.

O secretário-geral da Presidência, Gilberto Carvalho, também disse que o Congresso decidirá. Antes, o ministro Luiz Fux, do STF (Supremo Tribunal Federal), afirmou no Rio de Janeiro que a proposta de aumento dos salários dos juízes não é prioridade num momento de incertezas sobre a evolução da economia brasileira por conta do “contexto internacional já adverso” – como disse ontem a presidente Dilma Rousseff.

Segundo Fux, “o que causou desconforto foi o desrespeito aos trâmites constitucionais”.

“Acho que o único equívoco que houve foi ter sido cortado sempre esse assunto, mas nós juízes estamos super submetidos à vontade popular de não haver aumento. Não é esse o nosso objetivo, não é a grande luta do judiciário. Nós temos compreensão das dificuldades do governo porque somos agentes políticos também”, disse ao Jornal Folha de S.Paulo o ministro durante evento da Associação Brasileira das Federações Esportivas, no Iate Clube Jardim Guanabara, na Ilha do Governador, zona norte do Rio.

Fux afirmou também que o Judiciário mostrou que a necessidade do aumento era para “fins de obras”. “Não é só um aumento pessoal. Isso até os juízes dispensam. É um orçamento de estrutura do judiciário e normalmente o orçamento é remetido para ser chancelado ou não pelo legislativo”, destacou.

Orçamento
Dilma criticou a proposta de aumento dos salários do Judiciário, afirmando que a medida pode prejudicar a execução de programa sociais e gerar “incertezas sobre a evolução da economia brasileira em um contexto internacional já adverso”.

Ao enviar ao Congresso as previsões de receitas e gastos para 2012, o governo havia deixado de fora as propostas de reajustes da Justiça, que causam impacto de R$ 7,7 bilhões nos cofres públicos.

O Planalto foi obrigado a recuar e a rever sua proposta orçamentária, após os ministros do Supremo e o procurador-geral da República se revoltarem.

Da Folha.com

Siga-nos e curta-nos:
RSS
Follow by Email
Twitter
Visit Us
Follow Me