Bastidores

Ministro diz que Dilma terá que lidar com saída do PMDB

André Figueiredo diz que acredita no apoio de outras siglas aliadas ao governo. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil
André Figueiredo diz que acredita no apoio de outras siglas aliadas ao governo. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

O ministro das Comunicações, André Figueiredo, diz que “as evidências são muito fortes” de que o PMDB deixe o governo Dilma Rousseff, na reunião nacional que o partido fará hoje, em Brasília. “Nós temos que trabalhar com essa expectativa, porque o PMDB está apostando em assumir o Governo com o vice-presidente Michel Temer”.

Por outro lado, o ministro ressalta que o governo Dilma, a partir de agora, tem que saber lidar com “essa perda”. O PMDB é o partido com maior representação na Câmara Federal, e pode ter peso decisivo para dar andamento ao processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff.

Permanência
Perguntado sobre a possibilidade de o PMDB assumir o Governo, o ministro disse que isso vai depender do Congresso Nacional. “Nós temos a expectativa, ainda, de que boa parte dos partidos que hoje compõe a base da presidente Dilma possa permanecer onde está, e assim evitar que o Brasil ainda entre numa crise econômica maior do que a que está acontecendo agora”, defende.

De acordo com o ministro, para a presidente Dilma continuar no cargo, escapando do impeachment, tem que “trabalhar em benefício da população, ou seja, fortalecendo a economia para a geração de emprego e, principalmente, mais queda da inflação”. Ele acrescenta que a Presidente tem dado essa determinação, independente dr qualquer movimentação política no Congresso.

Rumo
O ministro assegura que o Governo Federal “não perdeu o rumo”, porque a presidente Dilma tem tido sensatez em todas as reuniões que promove às segundas-feiras pela manhã com os ministros, dando todas as orientações. “E, com isso, nós temos ainda temos a expectativa de que possamos fazer com que o Brasil saia dessa crise”, reforça.

Com informações do OE


Curtir: