Denúncia Nacional

Ministro do Esporte rebate denúncias de liderar fraude e pede investigação à PF

Ministro do Esporte, Orlando Silva

O ministro do Esporte, Orlando Silva, rebateu, neste sábado (15), as acusações de que recebeu dinheiro de integrantes do grupo investigado por desvio de dinheiro do Programa Segundo Tempo, criado pelo Governo Federal para incentivar crianças carentes a praticar atividades esportivas. Ele também informou que pediu à Polícia Federal (PF) para investigar o caso.

O Ministério do Esporte também divulgou nota em seu site sobre o caso. A nota informa que Orlando Silva pediu ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que a Polícia Federal (PF) investigue as denúncias feitas pelo policial militar João Dias Ferreira, ligado ao Partido Comunista do Brasil (PCdoB), ao qual o ministro é filiado.

Tenho certeza de que ficará claro que tudo o que ele [Ferreira] diz são calúnias”, afirmou o ministro, referindo-se às denúncias feitas pelo policial à revista Veja desta semana. Dirigente de duas organizações não governamentais (ONGs), Ferreira é uma das cinco pessoas presas no ano passado, em Brasília, sob acusação de desviar dinheiro do programa federal.

Leia mais:
Ministro Orlando Silva é acusado de liderar fraude no Esporte

A denúncia
Com base nas denúncias de Ferreira e de um empregado do policial, Célio Soares Pereira, a Veja informa que funcionava, dentro do Ministério do Esporte, uma estrutura organizada pelo PcdoB, para desviar dinheiro público. Pereira disse à revista ter entregue a Orlando Silva, na garagem do ministério, uma caixa de papelão contendo maços de notas de R$ 50 e R$ 100.

Segundo a Veja, os recursos iam para o caixa eleitoral do partido e para alguns de seus dirigentes. O policial contou à publicação semanal que o esquema funcionava desde que o ministro do Esporte era Agnelo Queiroz, atualmente governador do Distrito Federal. Na época, Orlando Silva era secretário executivo da pasta.

De acordo com a nota, Ferreira é o responsável pela Associação João Dias de Kung Fu e da Federação Brasiliense de Kung Fu, entidades com as quais o ministério firmou dois convênios, em 2005 e 2006, para que crianças e jovens fossem atendidos pelo Programa Segundo Tempo.

Repasse suspenso
Ainda conforme o ministério, como os contratos não foram cumpridos, o repasse de dinheiro público previsto foi suspenso. Além disso, em junho de 2010, Orlando Silva determinou a instauração de uma Tomada de Contas Especial, enviando o processo ao Tribunal de Contas da União (TCU).

Na reportagem, Veja também informa que Ferreira é apontado como o responsável pelo desvio de cerca de R$ 2 milhões que deveriam ter sido usados na compra de material esportivo e alimentos para crianças carentes. O ministério confirma que está exigindo, na Justiça, que as entidades dirigidas pelo policial devolvam R$ 3,6 milhões aos cofres públicos.

A avaliação do ministro do Esporte, destaca a nota, é que foi esse o motivo para João Dias fazer agora acusações de desvios de verbas do Segundo Tempo. João Dias já é réu em ação civil pública proposta pelo Ministério Público Federal, em decorrência das irregularidades na execução dos convênios denunciadas pelo Ministério do Esporte.

Leia ainda: 
Desvio de recursos no Ministério do Turismo pode chegar a R$ 4 milhões, diz procurador
Wagner Rossi pede demissão da Agricultura e já é o quarto ministro a sair do governo em oito meses   
Agora é oficial: Jobim pede demissão e Celso Amorim assumirá a Defesa 

A Casa caiu: Palocci pede demissão  

Com informações da Agência Brasil


Curtir: