Greve Nacional

Ministro pede vagas em presídios de segurança máxima para PMs

José Eduardo Cardozo Ministro da Justiça

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, afirmou no sábado (04), em Salvador, que já pediu a reserva de vagas em dois presídios de segurança máxima para transferir, se for preciso, policiais militares que tenham cometido algum tipo de crime durante a mobilização grevista. A categoria está em greve há cinco dias, e a região metropolitana da capital baiana enfrenta uma onda de criminalidade.

“A nossa compreensão é que o nome dessa polícia e das ações de segurança, o nome desse estado não pode ser atingido por um grupo de pessoas que imagina que as suas reinvindicações corporativas possam fazer valer qualquer tipo de ação, possam fazer valer a prática de crimes, abusos de todas as naturezas. Isso é inaceitável em um estado de direito”, disse acrescentando que o governo federal oferece um “incondicional apoio na defesa da ordem e do estado de direito da Bahia”.

Leia ainda:
Governador da Bahia chama PM’s em greve de criminosos, nega anistia, pede prisão de grevistas e lembra estilo Ciro Gomes

Insegurança
Foram registrados 29 assassinatos em um período de 30 horas, de acordo com a Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), além de inúmeros saques.

De acordo com o ministro da Justiça, a presidente Dilma autorizou a ‘operação de lei e de ordem’, prevista na legislação em vigor. “Isso significa a possibilidade de além de mobilizarmos a Força Nacional, a Polícia Federal e as Forças Armadas, sob comando do Ministério da Defesa, trazer para o estado da Bahia talvez o maior contingente operacional que se fez em operações dessa natureza. São mais de três mil homens”, relata.

Para tentar controlar a situação, estão sendo enviados para a Bahia 2,8 mil militares do Exército, Marinha e Aeronáutica e 450 policiais da Força Nacional de Segurança Pública, ligada ao Ministério da Justiça.

Do Jornal do Brasil