Em Brasília

Na Folha: Ciro Gomes vê fim da aliança com PT e quer ser candidato à sucessão de Dilma em 2014

Ciro participou do programa "Poder e Política - Entrevista" do Grupo Folha, em Brasília. Foto: reprodução

O ex-deputado federal e ex-candidato a presidente da República, Ciro Gomes, afirmou nesta quinta-feira (17) que é “natural” que seu partido, o PSB rompa a aliança com o PT no plano nacional. Ciro disse também que só disputa nova eleição se for para concorrer a presidente da República. Ele já concorreu ao cargo em 1998 e 2002.

As declarações de Ciro foram feitas ao programa “Poder e Política – Entrevista”, conduzido pelo jornalista Fernando Rodrigues no estúdio do Grupo Folha em Brasília. O projeto é uma parceria do UOL e da Folha.

Tá tudo dominado!
Ácido, o político criticou o PT, de quem se diz um “admirador frustrado”. Afirmou que o partido de Lula e de Dilma Rousseff deixou “tudo dominado”, de sindicatos ao grupo narcotraficante ADA (Amigos dos Amigos).

“Cooptou tudo o que é, aspas, sociedade civil organizada no Brasil”, afirmou. “Tudo. Centrais sindicais, movimento estudantil. ‘Tá tudo dominado’. Agora até a ADA, Amigos dos Amigos que era lá do Nem [traficante preso em operação da policia do Rio] na Rocinha acabou-se também. Então os movimentos de trabalhadores e de estudantes no Brasil estão acéfalos” , disparou Ciro.

Presidência
Sobre a oposição, Ciro disse considerar José Serra e Geraldo Alckmin, ambos do PSDB, fora da disputa para presidente da República. Já sobre Aécio Neves, também tucano, Ciro aponta dois problemas: um deles é “ler pouco”. O outro é conseguir uma aliança para se viabilizar.

Questionado sobre a própria candidatura para a presidência da República em 2014, Ciro foi direto ao ponto. “Eu não quero mais ser candidato a nada e admito ser candidato a presidente da República“.

O ex-deputado também sobre crise econômica, eleições municipais e outros assuntos. A transcrição da entrevista está disponível em texto. Para ler, clique aqui.