Eleições 2014

No Cariri, Raupp defende candidatura e diz que Eunício pode se tornar “o maior governador da história do Ceará”

No Cariri, Raupp defende candidatura e diz que Eunício pode se tornar " tornar “o maior governador da história do Ceará". Foto: Divulgação
No Cariri, Raupp defende candidatura e diz que Eunício pode se tornar “o maior governador da história do Ceará”. Foto: Divulgação

O município de Crato acolheu, neste final de semana, o 8º Encontro Regional do PMDB do Ceará, que contou a participação de diversas lideranças estaduais e nacionais do partido. Entre elas, o presidente nacional do PMDB em exercício, senador Valdir Raupp (PA), e o presidente do PMDB Ceará e líder do partido no Senado, Eunício Oliveira.

Eunício 2014
O tema dominante nos pronunciamentos foi a defesa de uma candidatura do partido ao Governo do Estado em 2014, tendo como cabeça de chapa o senador Eunício Oliveira. Para os peemedebistas, como o governador Cid Gomes não pode ser reeleito, é necessária uma rediscussão da aliança partidária que sustenta o projeto do Governo Federal no Ceará, atuando o PMDB com maior protagonismo.

Apoio nacional
Vaudir Raupp declarou que o PMDB do Ceará terá todo o apoio do PMDB Nacional para “realizar o sonho dos cearenses, elegendo Eunício Oliveira governador”. Segundo ele, as pesquisas de opinião pública indicam que o presidente do partido no Ceará terá a missão de comandar um novo projeto para o estado, tendo tudo para se tornar “o maior governador da história do Ceará”.

Candidatíssimo
Eunício Oliveira agradeceu as palavras do colega de bancada e declarou que tem sim vontade de governar seu estado natal, e que se sente preparado para isso. No entanto, ressaltou que não pode ser candidato de si mesmo, sendo necessário ouvir ainda mais a população: “O povo é soberano e ele é quem vai dizer se serei o próximo governador do Ceará”.

Aliança
O líder do PMDB e da Maioria no Senado fez questão de destacar que o partido faz parte de uma aliança ampla que, no Ceará, dá sustentação ao projeto nacional iniciado pelo ex-presidente Lula e pela presidente Dilma. Mas ponderou que o governador Cid Gomes, que personificou o arco nos últimos oito anos não pode mais ser candidato. “Em 2014, vamos saber se estaremos juntos na eleição. Se não, bola pra frente, o povo vai escolher”, finalizou.


Curtir: