Com a palavra

Opinião: Copa do Mundo e eleições 2012, entre a política e o futebol

Observando a realização de mais uma coletiva à imprensa do secretrário Especial da Copa, Ferruccio Feitosa, decidi escrever um pouco sobre as interseções entre Copa do Mundo e eleições 2012, a política e o futebol. Leia ainda:  Ferruccio reúne imprensa para apresentar maquete virtual do Castelão nesta segunda

Com toda essa exposição positiva, fruto, é claro, do trabalho desenvolvido na secretaria especial da Copa, Ferruccio Feitosa ganha visibilidade para disputar cargos públicos. Acaso? Claro que não. O governador Cid Gomes já mostrou que nas articulações políticas não dá ponto sem nó.

Não resta dúvida que, como político experiente que é, Cid Gomes planejou a abertura de espaço para uma jovem liderança criando a nova secretaria e entregando a missão a Ferruccio. Deu ao secretário a oportunidade para mostrar serviço e estabelecer uma imagem positiva.  Ferruccio é filiado ao PSB.

Plano A
Publicamente, quando questionado sobre a sucessão em Fortaleza na eleição de 2012, Cid Gomes manifestou simpatia pela candidatura de um outro secretário, Camilo Santana, que recebe igual atenção na estrutura de governo. Com Camilo, filiado ao PT, o governador conseguiria manter a aliança com o partido de Luizianne Lins e Dilma Rousseff.

O detalhe é que a cúpula da sigla não está tão interessada assim no “candidato” indicado pelo governador. Não estou dizendo que o PT não pense em Camilo para disputar a prefeitura da capital, ele inclusive está entre os 13 prefeituráveis do PT, mas a decisão passa por outras mãos. Neste caso, não vai ser tão fácil quanto tem sido até hoje para Cid Gomes. Leia em: PT divulga lista de prefeituráveis para 2012

Plano B
É aí que entra Ferruccio, uma carta na manga do socialista. Se não der certo com Camilo e com o PT, Cid Gomes pode apostar na juventude e na imagem positiva do secretário da Copa para disputar a prefeitura da capital.  Algum pecado nisso? É relativo. 

A história mostra que a gestão pensada para atender a objetivos meramente político partidários, deixa em segundo plano o que deveria ser meta exclusiva dos que ocupam cargos públicos: tomar as melhores decisões para trazer os maiores benefícios a população que confiou seu voto e através dele, entregou a chave do cofre e o poder das decisões. É amigos, a política muitas vezes atrapalha a vida do cidadão comum. Basta olhar os loteamentos de cargos, troca de favores e por aí vai. Mas este é um outro assunto.

Voltando à vitrine de Ferruccio. Vejam bem a mensagem passada hoje sobre as obras do Mundial: o que é do Estado anda bem, já as obras da prefeitura não saem do papel. Ou seja, o que Ferruccio toca vai pra frente. Já o que está sob domínio da petista Luizianne não avança. Sentiram? Aí fica a pergunta: por onde anda o planejamento conjunto tão comemorado quando Cid Gomes foi cabo eleitoral e principal responsável pela reeleição de Luizianne Lins? Quem achar, devolva por favor!

PSB
Não bastasse todas estas articulações, o presidente municipal do PSB, Sérgio Novais, movimenta seu grupo para proteger a aliança com Luizianne Lins e já declarou guerra aos cidistas na definição pela candidatura socilalista à prefeitura da capital.  

Enfim, todos os atores cumprem os papéis que lhes foram dados. Também é certo que qualquer espaço pode servir de palanque. Mas com planejamento, trabalho bem feito, um pouco de sorte e, é claro, muito dinheiro para tocar obras e projetos, fica muito mais fácil chegar no coração do eleitor. 

Leia ainda:
Opinião: Entre a luz do poste e a escuridão das urnas  
Opinião: Eleições 2012 – A primeira disputa é entre aliados


Curtir:


One thought on “Opinião: Copa do Mundo e eleições 2012, entre a política e o futebol

Comments are closed.