Eleições 2014

Oposição desconfia da candidatura de Ciro ao Senado, mas diz que Tasso aceita disputar com ex-aliado

Oposição desconfia da candidatura de Ciro ao Senado, mas diz que Tasso aceita disputar com ex-aliado
Oposição desconfia da candidatura de Ciro ao Senado, mas diz que Tasso aceita disputar com ex-aliado

Parlamentares de oposição não acreditam na candidatura do ex-ministro Ciro Gomes (Pros) ao Senado Federal, nas eleições de outubro deste ano. Na última segunda-feira, o governador Cid Gomes (Pros) admitiu a possibilidade de renunciar ao cargo de chefe do Executivo para disponibilizar o nome do irmão para a disputa.

Roberto Pessoa
O ex-prefeito de Maracanaú, Roberto Pessoa (PR), afirma que a postulação funciona como estratégia dos irmãos Ferreira Gomes. Segundo disse, a movimentação parece querer “levantar o astral” do atual secretário de Saúde do Estado.

“Primeiro a família coloca Ciro como secretário, depois surge o boato de que ele vai coordenar a Campanha da Dilma Rousseff e agora vem a jogada de disputar o Senado”, enfatiza. “Ciro não vai ser candidato. Tudo isso é só para levantar o astral dele”, completa.

Leia ainda:
Possível candidatura de Ciro movimenta bastidores e já causa reações

Com áudio: Cid Gomes admite renúncia para permitir candidatura de Ciro ao Senado
Ciro Gomes nega participação na coordenação da campanha de Dilma Rousseff

Tasso x Ciro
A estratégia da oposição não mudará, caso a candidatura de Ciro seja efetivada, sendo possível o embate com o ex-senador e ex-aliado Tasso Jereissati (PSDB). O cenário seria uma espécie de disputa entre o criador e a criatura, já que o tucano foi padrinho político do secretário em eleições anteriores, inclusive apoiando candidaturas de Ciro à Prefeitura e ao governo do Estado e à presidência da República.

“O Tasso já deixou claro que quer disputar, ele só não se candidata se for contra o governador Cid Gomes”, revela Pessoa. “O governador sim é um candidato forte. O Ciro é que não tem voto de ninguém”.

Tasso que disputar?
O presidente estadual do PSDB, Luiz Pontes, enfatiza que todo esse rebuliço em razão da possível postulação de Ciro não mudará em nada a movimentação e discussão dos partidos de oposição. “Tasso tem dito que a vontade dele é disputar. Nada mudará. Nada, nada, nada”, ressalta.

Novais
Sérgio Novais, presidente do PSB, afirma que a chapa da legenda está consolidada, com a ambientalista Geovana Cartaxo na disputa pelo Senado. Segundo disse, a movimentação dos Ferreira Gomes tem intuito de defender a família. “Fica claro que o objetivo é de manter o poder familiar e não de um projeto para o Ceará”, conclui.

Guimarães de olho no Senado
Caso Ciro saia candidato ao Senado, fala-se nos bastidores que poderá arranjar briga com o PT. Uma das correntes da legenda trata como certa a postulação do deputado federal José Guimarães à vaga. “Essa decisão pode até tirar o PT da disputa, e isso é muito prejudicial, porque o partido saindo tira o tempo da propaganda eleitoral na televisão praticamente todo”, lembra, citando a possibilidade de os petistas apoiarem o senador Eunício Oliveira (PMDB) ao governo do Estado.

Enquanto isso, Guimarães afirma que a candidatura de Ciro Gomes é apenas especulação e que o cargo da chapa majoritária da coligação situacionista continua em aberto. “Todas as questões da sucessão estadual estão em aberto e, por isso, não se pode prever tudo o que vai ocorrer nessa área até o próximo dia 5 de abril [prazo final para que interessados em concorrer às eleições deixem seus postos]”.

E ainda
O parlamentar assegura que o PT está pronto para qualquer decisão que possa acontecer em relação à postulação aos cargos de governador, vice-governador e senador. De acordo com ele, a legenda ocupará uma vaga na chapa majoritária na coligação. O Senado continua como ponto preferencial do partido. “A base do PT prefere o Senado, mas esse é um assunto que vai para a discussão no partido e na coligação”, reforça.

Com informações do Jornal O Estado


Curtir: