Bastidores

Para equipes de campanha, morte de Campos “zera” o jogo eleitoral

Para equipes de campanha, morte de Campos "zera" o jogo eleitoral. Foto: Agência Brasil
Para equipes de campanha, morte de Campos “zera” o jogo eleitoral. Foto: Agência Brasil

Integrantes das três principais campanhas presidenciais fizeram no domingo (17) avaliação semelhante durante o velório de Eduardo Campos: a candidatura de Marina Silva, em meio a uma comoção nacional, zerou o cronômetro da eleição.

Reservadamente, diversos representantes dos comitês eleitorais afirmam que a única certeza agora é de que haverá segundo turno.

Duas semanas
Para muitos, o efeito da morte de Campos sobre a popularidade de sua substituta na cabeça de chapa decantará nas próximas duas semanas. Só então então será possível avaliar, com mais clareza, o cenário da sucessão.

Durante o voo que a levou ao Recife, Marina afirmou que a morte do candidato impõe a ela “responsabilidade” e que pretende manter os compromissos que definiu com o aliado. As afirmações foram feitas aos jornais “O Estado de S. Paulo” e “O Globo”.

“Penso que existe uma providência divina em relação a mim, ao Miguel [filho mais novo de Campos], a Renata [viúva do candidato] e ao Molina [sobrinho e assessor]“, disse Marina ao “O Globo”.

Preocupação
Auxiliares de Dilma Rousseff presentes à cerimônia fúnebre não escondiam preocupação com a reviravolta do quadro eleitoral. Tucanos também exibiam apreensão. No PT e no PSDB, a expectativa é de um segundo turno entre a presidente da República e o candidato do PSDB, Aécio Neves (MG).

Riscos
Em comum está a avaliação de que Marina tem um discurso fundamentalista em diversos setores e sua eventual vitória traria riscos ao país. Tudo indica que a ex-senadora sofrerá dos dois grupos adversários a mesma investida negativa feita contra Lula em 2002.

Com informações da Folha de S. Paulo


Curtir: