Bastidores

Para Temer, vitória no TSE é oportunidade para tentar ‘virar o jogo’

Temer já foca nas estratégias para as próximas semanas. Foto: Marcelo Casal/ABr

A televisão do gabinete presidencial exibia a terceira hora do voto do relator Herman Benjamin, no fim da tarde desta quinta-feira (8), mas Michel Temer nem prestava atenção.

Com alguns políticos aliados, já traçava planos políticos para as próximas semanas e discutia estratégias para evitar a debandada do PSDB de sua base aliada.

O presidente chegou mais cedo ao Palácio do Planalto para assistir ao julgamento do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) que colocava em risco sua permanência no cargo. Ao longo do dia, com a sinalização de que a maioria dos ministros poderá inocentá-lo, passou a se dedicar às estratégias para manter seu governo de pé.

Nova oportunidade
Em conversas reservadas, Temer classificou uma decisão favorável da Justiça Eleitoral como uma oportunidade de “virar o jogo” e de arrefecer a crise que enfrenta, mas manifestou preocupação com o cenário político da próxima semana.

Empenho
A partir de agora, ele pediu empenho de seus articuladores políticos para conter a ameaça de saída do governo feita pelo PSDB, principal fiador da gestão peemedebista. Na avaliação dele, o desembarque do partido, que poderá ser definido em reunião na próxima segunda-feira (12), causaria um esfacelamento da base aliada.

Tropa
O peemedebista também vai mobilizar uma tropa de choque para barrar no Congresso uma denúncia que deve ser apresentada contra ele pela PGR (Procuradoria-Geral da República), o que o afastaria temporariamente do cargo.

Ofensiva
Para não se tornar réu, o presidente precisa do apoio de 172 deputados federais. Ao mesmo tempo em que tenta evitar o desembarque do PSDB, Temer iniciou ofensiva sobre o chamado “centrão”, formado por partidos como PP, PR, PTB e PSD. O governo reforçou as ofertas de cargos e emendas parlamentares para manter a base unida diante da turbulência política.

Com informações da Folha


Curtir: