Ceará

Parece novidade, mas não é: Refinaria do Ceará fica fora dos planos da Petrobras… de novo!

O detalhamento do plano de negócios 2012-2016 que a Petrobras divulgou na segunda-feira, dia 25 deste mês, mostrou que a refinaria Premium 2, do Ceará, orçada em cerca de US$ 10 bilhões, ficou de fora dos compromissos da empresa para os próximos anos. O projeto, promessa antiga reafirmada em palanques, é responsabilidade da área de refino, a que mais sofreu perda de investimentos, com queda de US$ 5,1 bilhões em relação ao plano do ano passado.

Caso antigo
O “lenga lenga” não é de hoje. No dia 9 de dezembro de 2010, o Jornal Jangadeiro exibiu reportagem e mostrou que a Refinaria do Ceará já não estava mais no Plano de Investimentos da Petrobras. De lá para cá, muito discurso, novas promessas e pouca ação.

Agora, com a divulgação do novo plano de investimentos para o período 2012 – 2016 o assunto volta à tona como se fosse uma novidade que pegou a todos de surpresa. Chega a ser estranho a expressão de incredulidade de alguns. Os mesmos que já sabiam que a Refinaria estava fora do planejamento da Petrobras desde 2010, ainda na gestão de Sergio Gabrielli.

Mas não se enganem e nem se deixem enganar, o debate é exatamente o mesmo! E enquanto os nossos políticos afinam o discurso e comemoram maquetes virtuais do empreendimento, a Petrobras dá as costas para o Estado afastando a possibilidade de investir no Ceará.

Sobra discurso e falta viabilidade
A construção da Premium 2 é um dos projetos retirados do plano de negócios por ainda não ter sua viabilidade garantida. Segundo fontes ligadas à empresa, a Petrobras precisou antecipar a divulgação, prevista para julho ou agosto, por pressão do governo (controlador da companhia), que confia nos cofres da companhia para alavancar o nível de investimento no País e ajudar a impulsionar a economia.

O que resta é… esperança
A estatal não desistiu da refinaria, mas sua retirada do plano de negócios é reflexo direto do estilo que a presidente da empresa, Graça Foster, está imprimindo na empresa. Obcecada por metas e prazos, Graça quer evitar que a Petrobras volte a descumprir a previsão de investimento e produção, como aconteceu no ano passado, para frustração do mercado. O plano de negócios é um compromisso da empresa com investidores para um prazo de cinco anos.

Entraves
A Petrobras ainda não recebeu autorização para sua instalação no terreno, que fica em área indígena, e teria decidido se descomprometer com o prazo e com o investimento. A refinaria, com capacidade para 300 mil barris por dia, iniciaria produção em 2017 e parte dos cerca de US$ 10 bilhões deveriam ter entrado no plano de negócios 2012-2016.

Pra relembrar: Tá tudo gravado!
Acompanhe a reportagem exibida em 2010 com direito a apresentação de documentos e deboche de Sérgio Gabrielli ao falar sobre a Refinaria do Ceará:

Veja também:
Obras da refinaria do Ceará não têm data para começar


Curtir: