ALEC

Peemedebista diz que Governo Federal não erradicará extrema pobreza até 2014

Dep. Lucílvio Girão (PMDB)

O deputado Lucílvio Girão (PMDB) afirmou nesta quinta-feira (24), na Assembleia Legislativa, que não acredita na erradicação da extrema pobreza no Brasil até 2014, como promete a presidente Dilma Rousseff. “Ela é bem intencionada. Mas, pela minha experiência, não acredito. É um curto espaço de tempo para se fazer isso”, ponderou.

Na opinião do parlamentar, o Governo Federal pode até conseguir avanços no Sul e Sudeste, mas não no Norte e Nordeste – onde os índices de pessoas sobrevivendo com até R$ 70 mensais são mais elevados. Lucílvio revelou que apenas 5% da população de Santa Catarina, por exemplo, é considerada extremamente pobre.

No Nordeste, chega a 18%. No Ceará, 1,5 milhão habitantes dos 8,4 milhões totais. Na Região, somente Maranhão e Bahia superam, com 1.7 milhão e 2.4 milhões, respectivamente.

Segundo o parlamentar, o nível é o mesmo de países subdesenvolvidos como a Indonésia (18%) e Timor Leste (18%), e pouco acima da Costa do Marfim (16%) e Nova Guiné (16%). Para acabar com a extrema pobreza, Girão defendeu reformas socioeconômicas, a começar pelos setores da saúde, educação, crédito produtivo, saneamento e político. “Mas é difícil fazer tudo isso em dois anos”, sublinhou.

Em aparte, o deputado Augustinho Moreira (PV) ponderou que as ideias do ex-governador eram boas. Ele culpou a atual administração estadual pelo aumento do número de pobres extremos. Em 2007, eram 901 mil pessoas. São 1,5 milhão atualmente. “Se o Governo que aí está tem tanto dinheiro para fazer obras gigantescas e não consegue diminuir esse índice, tem alguma coisa errada”, frisou.

Leia mais:
Número de pessoas em situação de extrema pobreza cresce 51% no Ceará 

Com informações da Assembleia Legislativa