Governo Temer

Pelo Twitter, Temer repudia atentado e critica intolerância religiosa

Presidente manifestou condolências a vítimas e familiares alvos das explosões em duas igrejas cristãs do país africano. Em nota, Itamaraty condenou ‘qualquer ato de terrorismo’

O presidente Michel Temer publicou neste domingo (9) no Twitter uma mensagem de repúdio aos atentados contra duas igrejas cristãs no Egito neste domingo (9).

Na mensagem, o presidente prestou solidariedade a vítimas e familiares e criticou a intolerância religiosa e o “extremismo violento”.

“Recebi com profunda tristeza a notícia de atentado contra igrejas cristãs coptas no Egito, no Domingo de Ramos. Repudiamos toda forma de intolerância religiosa e de extremismos violento. Nossa solidariedade às vítimas e seus familiares”, escreveu Temer na rede social.

Em nota
O Itamaraty divulgou nota na qual condenou os atos de terrorismo.
“Ao expressar suas condolências às famílias das vítimas, seus votos de plena recuperação aos feridos e sua solidariedade com o povo e o governo do Egito, o Brasil reitera sua condenação a todo e qualquer ato de terrorismo, independentemente de sua motivação”, diz uma nota oficial.

Intolerância religiosa
Os atentados ocorreram em Alexandria, a segunda cidade mais populosa do país, e em Tana, a quinta maior, durante as celebrações que marcam o início da Páscoa. Explosões deixaram ao menos 36 mortos e mais de uma centena de feridos, segundo um comunicado do ministério da Saúde egípcio.

A explosão em Alexandria, no norte do país, aconteceu na igreja de São Marcos. Pela manhã e antes do incidente, o papa copta Teodoro II esteve no lugar para a celebração do Domingo de Ramos, informou a Igreja Copta do Egito. Lá, o atentado deixou ao menos 11 pessoas mortas e 35 feridas, de acordo com o governo egípcio.

Tanta
Já a explosão em Tanta ocorreu na igreja Mar Guergues. A cidade fica a cerca de 120 km ao norte da cidade do Cairo, capital do país. De acordo uma TV local, o explosivo, colocado debaixo de um banco do templo, matou 25 pessoas e deixou 78 feridos. A polícia isolou a área enquanto o esquadrão antibomba trabalhava no local em busca de outros explosivos.

Esse foi o ataque mais mortal contra a minoria cristã do Egito em anos, alvo de atentados constantes no país, de maioria muçulmana. Em dezembro de 2016, o alvo de explosões foi a maior catedral do Cairo, onde 25 pessoas morreram e outras 49 ficaram feridas, muitas delas mulheres e crianças.

Com informações do G1


Curtir: