Nacional

Pesquisa mostra que deputados evangélicos são os mais populares nas redes sociais

Pesquisa mostra que deputados evangélicos são os mais populares nas redes sociais
Pesquisa mostra que deputados evangélicos são os mais populares nas redes sociais

A guinada à direita no perfil das manifestações de rua entre junho de 2013, ápice do movimento pela redução das tarifas de transporte, e março de 2015, quando milhões marcharam pelo impecahment da presidente Dilma Rousseff em todo Brasil, é refletida também no perfil do Congresso Nacional.

Segundo uma pesquisa inédita feita pelo departamento de pesquisa do grupo Máquina da Notícia, os deputados mais populares nas redes sociais são filiados a legendas conservadoras e/ou evangélicas.

Os primeiros
Deputado eleito pela Bahia, Irmão Lázaro (PRB), que é pastor evangélico, registra, se somadas todas as redes sociais, interação com 8.333.003 pessoas. Em segundo lugar está o deputado paulista Celso Russomano, que também é do PRB, legenda que orbita na área de influência da Igreja Universal do Reino de Deus: 512.607 internautas interagem com ele no Facebook, no Twitter e no YouTube. No ranking dos partidos com mais alcance entre os eleitores nas redes sociais, o PRB também lidera, seguido por PSB e PSDB.

Redes
Entre as mais conhecidas redes sociais, o Facebook é a principal ferramenta, com alcance médio de 63 mil curtidas por página oficial dos eleitos para a Câmara. A surpresa ficou com o Instagram, que mesmo não tendo sido amplamente utilizado na campanha de 2014, passou o Twitter e aparece como a segunda rede mais acessada pelos parlamentares entrevistados.

Confiança
Na abordagem qualitativa, a maior parte dos entrevistados declara consumir múltiplas fontes de informação na internet. Quando o tema é confiança, os jornais impressos continuam na liderança, com três vezes mais confiança do que publicações alternativas, como blogs e páginas de internet. O levantamento foi feito entre dezembro de 2014 e maio de 2015 nas redes sociais utilizadas pelos deputados eleitos.

Com informações do Estadão


Curtir: