Greve

Policiais civis entram em acordo e suspendem greve

Greve da Polícia Civil chega ao fim

Os policiais civis aceitaram proposta do governo e decidiram encerrar a paralisação na noite desta quarta-feira (11). Representantes da categoria estavam reunidos, no Palácio da Abolição, desde às 15h para negociar as reivindicações.

Estiveram presentes na reunião os secretários de Gabinete, Ivo Gomes, da Fazenda, Mauro Filho, de Segurança Pública e Defesa Social, Francisco Bezerra, e de Planejamento e Gestão, Eduardo Paiva.

O integrante do Sindicato dos Policiais Civis do Estado do Ceará (Sinpoci), Mário Marques, informou ao Jangadeiro Online que a ata contendo as decisões ainda não está disponível à categoria.

Ele antecipou que várias reivindicações foram atendidas como reajuste salarial, não punição ao policial civil que tenha participado do movimento grevista desde julho de 2011, promoções de policiais que não tenham nível superior, dentre outras.

A paralisação
Os policiais civis decidiram suspender as atividades da categoria na última quarta-feira (3), após uma assembleia geral. Esta é a terceira paralisação dos policiais civis, em menos de um ano.

Em julho do ano passado os policiais civis do Ceará resolveram parar as atividades. A categoria permaneceu 39 dias parada, suspendendo a greve no dia 9 de agosto.

No dia 14 de outubro, em uma nova assembleia, os policiais decidiram retomar a paralisação que durou dois meses, terminando no último dia 15 de dezembro.

Leia também:
Policiais civis em greve realizam atendimento no Centro de Fortaleza
Polícia Civil se reúne com representantes do governo nesta quarta-feira
Secretário de Segurança se reúne com entidades para debater reivindicações dos policiais civis

Redação Jangadeiro Online, com informações do Sinpoci

3 thoughts on “Policiais civis entram em acordo e suspendem greve

  1. não foi o esperado, mas, companheiros continuaremos a lutar pelos nossos ideais e ter uma policia civil de homens honrados e coragosos, boa noite.

  2. A prova concreta de que os govenos só atendem mesmo contra a vontade aos trabalhadores que fazem greve, quem ficar caladinho comedo de ser posto prá fora passa o resto de seus anos vegetando. E assim segue o serviço público e a vida.

  3. A indignação foi generalizada, porém por motivo que a classe hoje encontra-se mais unida do que nunca, pois afinal não houve negociata e sim uma imposição do governo onde a classe somente decidiu por suspender a paralisação, para não entregar de bandeja a cabeça dos que encontram-se em regime probatório, pois,caso os policiais não aceitassem essa “proposta”(aqui sinônimo= imposição), a demissão de quase 250 escrivães no regime probatório seria imediato, há momentos que é necessário recuar, para posteriormente com armadura inviolável naqueles que eram alvos, reiniciar com uma nova Batalha, favorável a todos!
    Com choro, grito, vergonha a maioria por espírito de solidariedade DISSERAM SIM!
    Aqui fica a indignação de uma esposa de policial civil, que esteve todos estes dias na praça.
    Hoje mais do que nunca acredito na união e força da classe de POLICIAIS CIVIS

Comments are closed.