Eleições 2014

Possível candidatura de Ciro movimenta bastidores e já causa reações

Possível candidatura de Ciro movimenta bastidores e já causa reações. Foto: Tiago Stille/O Estado
Possível candidatura de Ciro movimenta bastidores e já causa reações. Foto: Tiago Stille/O Estado

A possível candidatura de Ciro Gomes às eleições de 2014 movimentou os bastidores da política no Ceará. Enquanto o governador Cid Gomes afirmou que poderá renunciar ao cargo de chefe do executivo para disponibilizar o nome do irmão, parlamentares cearenses se preparam para a disputa.

Leia ainda:
Com áudio: Cid Gomes admite renúncia para permitir candidatura de Ciro ao Senado
Ciro Gomes nega participação na coordenação da campanha de Dilma Rousseff

Inácio
Embora Ciro Gomes negue a intenção de entrar na disputa, o senador Inácio Arruda (PCdoB) declarou, ontem, que não tem medo de postular a reeleição no caso do atual secretário da Saúde do Estado ser candidato ao Senado da República. Até o dia 30 de junho, assegurou, todas as questões relativas à disputa eleitoral estão abertas e, por isso, qualquer político pode manifestar o desejo de postular a vaga.

O parlamentar enfatiza que disputará a reeleição contra qualquer candidato, seja Ciro Gomes (Pros), Cid Gomes (Pros), Tasso Jereissati (PSDB) ou José Guimarães (PT). A candidatura de Inácio, que se diz “tranquilo”, está decidida a partir da orientação nacional do PCdoB. “O nosso bloco político, que apoiará a reeleição da presidente Dilma Rousseff, vai saber fazer as composições necessárias para ganhar a eleição nacional e manter as nossas posições no Ceará”, arrisca.

As posições, segundo disse, significam sua recondução ao Senado da República e a manutenção de Chico Lopes e de João Ananias na Câmara Federal. “Eu vou continuar lutando pela reeleição, porque é um direito que tenho”, concluiu.

Sem traição
O deputado federal Eudes Xavier (PT), por sua vez, acredita que todas as articulações políticas são válidas, “o jogo baixo é que não é aceito, com traição de parceiro”, alfineta.

O parlamentar fez questão de esclarecer que Ciro Gomes, caso seja candidato ao Senado, não vai contar com o apoio do segmento do PT, que tem à frente a ex-prefeita Luizianne Lins. “Nós não queremos ser traídos novamente, porque já fomos uma vez com os Ferreira Gomes, apontando Roberto Cláudio para prefeito”, reclama.

O deputado continua defendendo a candidatura própria do PT ao governo do Estado, e disse que continuará lutando para que o a outra ala do partido tenha a mesma ideia. “O jogo está sendo jogado e, daqui para frente, vamos continuar defendendo para que os 80% do partido que estão com os Ferreira Gomes desistam deles em favor do fortalecimento da legenda”, disse, lembrando que, no sábado (29), o diretório estadual do PT realiza encontro para definir a estrutura sobre a participação no pleito deste ano.

Pra entender
Cid Gomes afirmou, durante reunião do Monitoramento de Ações de Projetos Prioritários (MAPP), que poderá renunciar ao cargo de chefe do Palácio da Abolição para que Ciro Gomes dispute, legalmente, vaga ao Senado Federal. O governador destacou ainda que não tomará a decisão sozinho. De acordo com ele, as prioridades deste ano são a reeleição de Dilma e a manutenção do projeto político.

Com informações do jornal O Estado


Curtir: