Articulação
Atualizado em: 16/08/2011 - 9:01 pm

Alfredo Nascimento na tribuna do Senado. Foto:José CruzABr

A declaração de independência do PR da base de sustentação ao governo é uma decisão madura e traduz o entendimento dos deputados e senadores do partido, declarou no Plenário, no início da noite de terça-feira (16), o senador Alfredo Nascimento (PR-AM).

O parlamentar foi ministro dos Transportes no até o início de julho, quando pediu demissão depois de denúncias de irregularidades na pasta.

Leia ainda:
ISTOÉ revela: “As negociatas do ministro Nascimento” 

Ministro dos Transportes afasta diretor interino do Dnit   
Exoneração de Alfredo Nascimento é publicada no Diário Oficial   

Alfredo Nascimento informou que o PR abriu mão de todos os cargos ocupados por indicação do partido no governo federal. Ele elogiou o atual ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, filiado ao partido. Disse, no entanto, que o PR não reconhece no ministro um representante seu no governo. Paulo Sérgio Passos foi secretário-executivo de Alfredo Nascimento no Ministério dos Transportes.

Segundo o senador, o PR vai continuar a participar de “modo construtivo” das pautas nacionais. O partido também vai apoiar de “modo incondicional” as medidas que “defendam o povo brasileiro”.

“É isso que esperam de nós os brasileiros que nos elegeram com seus votos”, afirmou.

Alfredo Nascimento disse que é possível contribuir com o Brasil mesmo sem ser governo ou oposição. Ele lembrou que o PR contribuiu com o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e parte do governo Dilma Rousseff. O senador também afirmou que o PR não aceita ser tratado como aliado de baixa categoria ou partido fisiológico.

“No momento em que as condições de respeito e apoio não estão mais presentes na relação com o governo, é porque chegou a hora da independência”, disse o senador.

Ele assegurou que o PR não vai fazer o “jogo da chantagem”, mas também não vai abrir mão da crítica e da defesa das bandeiras do partido. O senador, no entanto, declarou que o PR não vai somar forças a ações “meramente midiáticas”. Para Nascimento, os episódios recentes fortaleceram os princípios do PR.

“Votaremos com as nossas consciências e alinhados com o que pensa o povo brasileiro. Reiteramos nosso compromisso com o Brasil”, concluiu.

“Apoio crítico”
Mais cedo, o líder do PR na Câmara, deputado Lincoln Portela (PR-MG), já havia anunciado que o partido decidiu não mais fazer parte da base do governo. O deputado disse que a decisão incluía também o Senado e os estados.

“Saímos da base, mas continuamos a apoiar o governo e a presidente Dilma Rousseff”, disse o deputado, ressaltando que o PR fará um “apoio crítico”.

Da Agência Senado

Siga-nos e curta-nos:
RSS
Follow by Email
Twitter
Visit Us
Follow Me