Corrida presidencial Eleições 2014

PSB deve indicar Marina, mas exigirá compromisso

PSB deve indicar Marina, mas exigirá compromisso
PSB deve indicar Marina, mas exigirá compromisso

A tendência do PSB é confirmar a substituição de Eduardo Campos por Marina Silva na cabeça de chapa do partido à Presidência da República, mas a ex-senadora corre o risco de ser “cristianizada” pela sigla ao longo da disputa.

A morte de Campos abalou a frágil unidade do PSB, expôs um partido dividido entre o PT e o PSDB e deve provocar mudanças na estratégia eleitoral das campanhas da presidente Dilma Rousseff e Aécio Neves.

Socialismo
O presidente do PSB, Roberto Amaral, disse ao Valor PRO que o partido ainda cura suas “cicatrizes” e que a decisão deve levar em conta o projeto do PSB para o Brasil, “a questão do socialismo”. O partido foi o que mais cresceu nas últimas eleições. Em 2010, fez seis governadores e 35 deputados federais. Seu projeto é se tornar uma alternativa à esquerda do PT. Para isso, necessita de uma candidata menos personalista e mais identificada com o projeto partidário.

Leia ainda:
Presidenciável Eduardo Campos morre em acidente aéreo
Com morte de Campos, candidatos ao governo do Ceará cancelam agenda de campanha
Cid Gomes lamenta morte de Eduardo Campos
Câmara de Fortaleza decreta luto oficial de três dias; Políticos cearenses lamentam a morte de Campos
Emocionada, Marina diz que Campos estava empenhado até o final na defesa dos ideais

Apoio
Diante da falta de outras opções eleitoralmente viáveis no PSB, até candidatos a governador de Estados onde o agronegócio é forte manifestaram apoio a Marina. O empresário Vanderlan Cardoso (PSB), candidato em Goiás, afirmou que Marina surgiria como um nome natural, mas observou que tudo “vai depender dos acordos entre o PSB e o Rede”. Um dos integrantes da bancada ruralista, o deputado federal Alexandre Toledo (PSB), que é candidato a vice-governador em Alagoas, disse não ver problema em fazer campanha por ela.

Com informações do Valor Econômico


Curtir: