Bastidores

PSDB faz reunião para discutir retirada do governo Temer

PSDB faz reunião para discutir retirada do governo Temer

Ministros do PSDB e governadores contrários à saída do partido do governo pressionam os dirigentes da sigla para que não haja uma decisão nesta segunda-feira (12), dia de reunião marcada peça executiva nacional da sigla.

Eles argumentam que a legenda está rachada e que uma deliberação nesse cenário aprofundaria essa divisão.

“Acho que seria muito difícil chegar a alguma conclusão, num partido dividido. Não há urgência ou determinação para que haja decisão agora. Marcar data para uma reunião desse tipo não me parece uma coisa muito sensata”, afirmou o secretário-geral do PSDB, deputado Silvio Torres (SP).

No início
O roteiro original da reunião previa discussão ampla, envolvendo a cúpula partidária, deputados, senadores, ministros, governadores, prefeitos de capitais e presidentes de diretórios regionais. Em seguida, a comissão executiva -instância de decisões da legenda- se reuniria e tomaria uma decisão, no voto.

Pressão
Diante das pressões, o partido pode adiar essa votação e convocar uma nova reunião da comissão executiva para outra data. Levantamento publicado pela Folha de S.Paulo no domingo (11) mostra uma legenda rachada entre os que querem sair do governo e os que defendem a permanência.

Divisão
Dos 56 deputados federais, 19 responderam que desejam o desembarque e 19 que preferem manter-se na base. Outros 11 se declararam indecisos ou não quiseram opinar e sete não responderam. Entre os que defendem a saída do governo, está a ala mais jovem dos parlamentares da legenda, que pressiona por uma definição.

TSE
Para eles, a absolvição da chapa Dilma-Temer no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) na sexta-feira (9) não deveria afetar a decisão sobre o desembarque. Eles reclamam que o foco do governo saiu da agenda de reformas para gerenciar a crise e defendem a entrega dos ministérios. “Não precisamos de cargos para apoiar projetos importantes”, disse o deputado federal Fábio Sousa (GO). Congressistas do grupo devem se reunir antes do encontro para traçar uma estratégia e tentar impedir o protelamento da decisão.

Tasso
Na prática, no entanto, a decisão sobre a deliberação final cabe ao presidente interino do PSDB, o senador Tasso Jereissati. Na semana passada, ele disse que “segunda-feira é o limite do PSDB”. Diante da indefinição do quadro político, teria se convencido, porém, de que este não será o momento para a decisão final, diz um aliado.

Com informações da Folha


Curtir: