Eleições 2016

RC e Wagner trocam acusações em debate na TV

No confronto direto, os candidatos tentaram desconstruir discursos. Foto: Tatiana Fortes/O POVO/ Divulgação
No confronto direto, os candidatos tentaram desconstruir discursos. Foto: Tatiana Fortes/O POVO/ Divulgação

Os candidatos que disputam o segundo turno da eleição para a Prefeitura de Fortaleza participaram, na noite de domingo (23), do primeiro de uma série de debates que serão realizados na reta final da campanha.

No confronto direto, nos estúdios na TV O Povo, o atual prefeito, Roberto Cláudio (PDT), e o deputado estadual Capitão Wagner (PR) responderam a perguntas elaboradas pela produção do programa e de tema livre entre os dois nas áreas de saúde, educação, mobilidade urbana, administração pública, entre outros, citando temas como as filas para marcação de consulta, a construção de escolas de tempo integral e a implementação do passe livre para estudantes.

Em vários momentos, os candidatos tentaram evidenciar a diferença entre o discurso e as ações.

Crise
O debate começou com uma pergunta elaborada por jornalistas da emissora sobre a crise nas finanças das prefeituras e nas propostas para driblar esses problemas. Capitão Wagner foi o primeiro a responder. “Estamos propondo o enxugamento da máquina”, disse ao criticar “inchamento da máquina municipal” afirmando que a quantidade de cargos comissionados passou, nos últimos anos, de 3.100 para 4.700.

Na sequência, o prefeito afirmou que “há duas saídas para a Prefeitura num momento de crise: ajuste fiscal municipal, criatividade e projeto de inovação, além de ter capacidade de atrair investimentos externos” para o município. Segundo ele, Fortaleza “tem uma das três melhores gestões fiscais do País”.

Saúde
Na primeira pergunta de tema livre, Wagner questionou RC sobre saúde. Ele criticou o atual prefeito por “entregar a saúde” nas mãos de uma organização social, o ISGH. Roberto Cláudio rebateu afirmando que a organização criticada pelo adversário foi criada pelo então governador Tasso Jereissati, atual padrinho político de Wagner.

“Inverdades”
Durante o debate, o atual prefeito chamou a atenção para a “confusão com os números” que, segundo ele, seria promovida pela campanha de Wagner que “por má fé ou desinformação”, acaba gerando “desinformação para o eleitor”. Roberto Cláudio deu ênfase aos “oito” direitos de resposta garantidos pela justiça eleitoral ao atual gestor para esclarecer “inverdades da campanha adversária”.

Central
A polêmica sobre a Central de Medicamento voltou à tona e também ganhou destaque. Capitão Wagner questionou RC sobre abastecimento de medicamentos. “O cidadão está buscando e não está encontrando nos postos de saúde”, indagou. O prefeito reafirmou que a capital tem uma central de medicamento com 23 milhões de medicamentos por mês. “Não é criticando e simplificando o problema que vamos resolver. Nós aumentamos o PSF, e estamos focados em resolver essa distribuição”, reforçou.

Próximos
RC e Wagner participam de mais três debates: amanhã, na TV Jangadeiro; na quinta-feira, na TV Cidade; e na sexta-feira, o debate será promovido pela TV Verdes Mares.

Com informações do OE


Curtir: