Nacional

Reforma agrária trava no 1º ano de Dilma

Dilma Rousseff. Foto: Agência Brasil

A presidente Dilma Rousseff já rejeitou cerca de 90 processos de desapropriação de áreas para reforma agrária e se aproxima do final de seu primeiro ano de mandato sem ter desapropriado nenhuma fazenda. A informação está na Folha.com

Comparando
Em comparação com os outros sete mandatos presidenciais depois do fim da ditadura, apenas um (o de Fernando Collor) demorou, por enquanto, mais tempo para começar a desapropriar. A opção de Dilma representa uma clara ruptura em relação à era Lula.

Processos devolvidos
Entre 2003 e 2010, 20 decretos de reforma agrária por mês foram editados, passando imóveis para o Incra (Instituto Nacional da Colonização e Reforma Agrária). Segundo a Folha apurou, a presidente devolveu os processos que lhe foram encaminhados sob o argumento de que precisava de mais detalhes antes de decidir se elas deveriam ou não se tornar aptas para virar assentamentos de trabalhadores sem terra.

Minuciosa
Para o presidente do Incra, Celso Lacerda, nenhum decreto foi publicado por Dilma ser uma administradora “muito minuciosa”. ”Ela não deu decreto não foi porque ela não dá importância à reforma agrária, é porque ela quer de fato um processo qualificado.”


Curtir: