Bastidores

Reunião de conselho sobre Cunha pode não ocorrer por falta de sala

Reunião de conselho sobre Cunha pode não ocorrer por falta de sala. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil
Reunião de conselho sobre Cunha pode não ocorrer por falta de sala. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

A reunião Conselho de Ética marcada para esta quinta-feira (18) para analisar o parecer que recomenda a continuidade do processo do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), pode não ocorrer por falta de sala, segundo informou o presidente do colegiado, José Carlos Araújo (PSD-BA).

De acordo com o parlamentar, o plenário foi solicitado “há vários dias”, mas a diretoria que cuida da parte de infraestrutura diz não haver “disponibilidade de espaço”.

Estratégia
Segundo aliados de Eduardo Cunha, uma das estratégias do peemedebista para preservar o mandato é adiar até fevereiro do ano que vem o processo a que responde por suposta quebra de decoro parlamentar. A expectativa é de que, até lá, as denúncias de que mantém contas secretas na Suíça percam espaço no noticiário.

Relatório
A sessão do Conselho de Ética marcada para esta quinta seria destinada à apresentação e discussão do relatório preliminar do deputado Fausto Pinato (PRB-SP), que aponta indícios de quebra de decoro parlamentar suficientes para que o processo que investiga Eduardo Cunha continue. José Carlos Araújo disse que, alegando falta de sala, a diretoria disse que o Conselho de Ética terá que fazer a reunião no plenário 9, após sessão da CPI que investiga maus tratos contra animais.

Tanto a reunião do Conselho de Ética quanto a da CPI estão marcadas para ocorrer às 9h30. “Solicitei uma sala e até agora não foi confirmada. Dizem que não tem disponibilidade. Me reservaram uma sala onde já haverá uma CPI no mesmo horário. E terei que esperar a sessão da CPI. Em 16 anos que tenho de mandato parlamentar, eu nunca vi isso”, disse José Carlos Araújo.

Manobra
Perguntado se a resistência em disponibilizar uma sala seria uma manobra coordenada por Cunha para postergar o processo por quebra de decoro, o presidente do Conselho de Ética afirmou que não “está aqui para achar nada”. “Estou falando fatos. Vocês tiram as próprias conclusões. Hoje é um dia normal e está cheio. Quarta-feira é difícil achar um plenário. Mas nas quintas-feiras?”, questionou.

Sessão
Além da falta de disponibilidade de sala, o presidente da Câmara marcou sessão do plenário para às 9h desta quinta (19). Normalmente, demora algumas horas para haver quórum de votação e a ordem do dia começa às 11h. Quando há votações de projetos em plenário, não pode haver deliberação nas comissões. Assim, se o Conselho de Ética só puder se reunir após a sessão da CPI, é possível que a reunião precise ser cancelada por causa da ordem do dia no plenário.

Denúncias
Investigado na Operação Lava Jato, Cunha é acusado pela Rede Sustentabilidade e pelo PSOL – autores da representação no Conselho de Ética – de mentir em depoimento à CPI da Petrobras, em março, quando disse não possuir contas bancárias no exterior. Documentos enviados pelo Ministério Público da Suíça ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apontam, porém, que o peemedebista é controlador de contas na Suíça. Em entrevista ao G1 e à TV Globo, Cunha negou ser o dono das contas, mas admitiu possuir ativos no exterior que são administrados por trustes – entidades legais que administram bens em favor de um ou mais beneficiários.

E ainda
Na última segunda, o relator do processo protocolou parecer no qual recomenda que o Conselho dê continuidade às investigações das denúncias contra o peemedebista. Pinato apresentou o relatório preliminar antes do prazo limite de 10 úteis, que terminaria nesta quinta (19). A antecipação foi criticada pelo advogado de Cunha, que alegou cerceamento de defesa.

Com informações do G1


Curtir: