Ceará Greve

Reunião tenta evitar greve no Poder Judiciário

Presidente da OAB-CE e Defensora Pública Geral buscam entendimento com sindicalistas

Preocupados com a possibilidade de greve no na Justiça Estadual, o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil no Ceará, Valdetário Monteiro, e Defensora Pública Geral, Andréa Coelho, reuniram-se, no fim da tarde de quinta-feira (12), com dirigentes do Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário do Ceará (SindJustiça) e dos Oficiais de Justiça do Estado do Ceará (Sincojust), para evitar que as duas categorias paralisem suas atividades.

A decisão sobre a possível greve será tomada na tarde desta sexta-feira (13) quando os dois sindicatos realizaram, separadamente, assembleia geral.

A interferência das lideranças tem por objetivo evitar que a greve prejudique ainda mais o andamento dos processos no Judiciário cearense já conhecido pela morosidade.

Negociações
Diante deste quadro, o presidente da OAB, Valdetário Monteiro, e a Defensora Pública Andréa Coelho conclamaram aos líderes sindicais para continuarem negociando.

Pediram ainda um crédito de confiança ao presidente do Tribunal de Justiça do Ceará, desembargador José Arísio Lopes da Costa, que prometeu nomear comissão para fazer estudo da aplicação da isonomia salarial dos servidores da Capital e do Interior, e ao Governo do Estado, que, por meio de seu Chefe de Gabinete, Ivo Gomes, garantiu a reposição do orçamento do TJCE.

Participaram da reunião, que durou mais de duas horas e foi realizada na Defensoria Pública, os presidentes do SindJustiça, Roberto Eudes Fontenele Magalhães; e do Sincojust, Mauro Xavier de Souza; o diretor de Formação Sindical, João Batista Fernandes de Sousa; além coordenador Jurídico do SindJustiça, Emanuel Alves; Pedro Germano Tavares; da diretora Jurídica do Sindicato dos Oficiais, Liciane Tabosa, e o assessor Institucional da Defensoria Pública, Bheron Rocha.

Condições para evitar a greve
Roberto Eudes se comprometeu, em nome da diretoria do Sindicato dos Servidores do Judiciário, a defender, na assembleia geral, o adiamento da paralisação até pelo menos 3 de fevereiro. Condicionou, entretanto, a não deflagração da greve à publicação da portaria pelo Tribunal de Justiça nomeando a comissão que estudará a isonomia salarial.

O presidente do Sincojust, Mauro Xavier, também prometeu tentar convencer os oficiais de Justiça a não paralisarem suas atividades. Eles vão realizar assembleia geral, na tarde desta sexta-feira.

Com informações da Assessoria da OAB/CE