Partidos

Segundo o TSE, o recém criado PSD “teve” 5,1 mihões de votos em 2010

Dirigente do PSD no Ceará admite que criação da sigla foi patrocinada por Cid Gomes. Foto: Caroline Ribeiro

Estudo do Tribunal Superior Eleitoral aponta que o PSD (Partido Social Democrático) reúne políticos que disputaram vagas de deputado federal em 2010 e receberam 5,1 milhões de votos. A legenda seria a sétima maior do país se existisse à época da última eleição.

Esse dado será considerado para que o TSE conceda ou não à agremiação acesso ao dinheiro do Fundo Partidário, uma das maiores fontes de receita das siglas.

Veja também:
TSE registra mais de 67 mil novas filiações no Ceará. PT sai na frente, seguido de PSB e PSD

Ceará
No Ceará, a maior parte dos gestores que hoje compõe o PSD migraram de legendas como o PSDB e alguns do PR. O PSD é considerado uma sigla alternativa aos aliados do governador Cid Gomes (PSB) que é presidente estadual do Partido Socialista Brasileiro no Ceará.

Leia ainda:
Dirigente do PSD no Ceará admite que criação da sigla foi orientada por Cid Gomes

Troca de partido
Entre os deputados federais, Manoel Salviano, eleito pelo PSDB,  já se filiou ao novo partido. Na Assembleia Legislativa do Estado, a formação do PSD causou o maior desfalque na bancada tucana. Osmar Baquit, Moésio Loiola, Cirilo Pimenta (suplente), Neném Coelho (suplente), Professor Teodoro (suplente) e Rogério Aguiar oficializaram a mudança para o PSD. 

Além deles, Gony Arruda, atual secretário de esportes do Estado e deputado licenciado, eleito pelo PSDB, já havia deixado a sigla meses antes da criação do PSD.

Veja quem migrou para a nova legenda aqui:
PSD acolhe aliados do governo e já nasce com bancada na Assembleia do Ceará  

PSD Nacional
Idealizado pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, o PSD recebeu seu registro definitivo no ano passado. Como nunca disputou uma eleição, tem direito apenas a uma parcela mínima do fundo (R$ 18,5 mil por mês) e alguns segundos do tempo de TV e de rádio durante eleições.

Tentativa
O partido tenta reverter a situação na Justiça Eleitoral. Se tiver sucesso, passará a receber cerca de R$ 1,6 milhão por mês do Fundo Partidário -calculado de acordo com o número de votos obtidos por candidatos a deputado federal (eleitos e não eleitos).

Com informações da Folha.com