Nacional Pesquisa

Situação do aeroporto de Fortaleza é preocupante, diz Ipea

Com Reportagem do Jangadeiro Online

A situação do Aeroporto Internacional Pinto Martins, em Fortaleza, é preocupante. É o que indica a 18ª edição do boletim “Radar: tecnologia, produção e comércio exterior” divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) nesta quarta-feira (14), que analisa a infraestrutura de transportes no País e suas perspectivas.

Segundo o documento, a atual taxa de ocupação do aeroporto da capital cearense (92%) está bem acima da taxa limite, que é de 80%. O cálculo é feito dividindo o movimento de passageiros pela capacidade de cada aeroporto. No caso de Fortaleza, o movimento, em 2011, foi de 5.691 viajantes, enquanto que o limite de eficiência é de apenas 4.960 pessoas.

Grupos
No boletim, os aeroportos são separados em três grupos: os de situação adequada, que têm taxa de ocupação menor que o limite (80%); os de situação preocupante, com taxa acima de 80%, mas abaixo de 100%; e os de situação crítica, que apresentam taxa de ocupação maior que 100%. Pelo resultado, apenas três terminais brasileiros estão adequados: Porto Alegre, Salvador e Manaus.

Preocupante
Além de Fortaleza, também estão em situação preocupante os aeroportos do Galeão (RJ), de Confins (MG), de Recife (PE) e de Curitiba (PR). Já os piores terminais foram o de Vitória (ES), com taxa de 572%; de Goiânia (GO), com 469%; e de Florianópolis (SC), com 285%. “Portanto, dos vinte maiores aeroportos, 17 encontra-se em cenário de estrangulamento”, conclui o boletim.

Confira no infográfico a situação dos aeroportos pesquisados (clique na imagem para melhor visualização):

Situação das obras
No boletim, o Ipea também divulgou a situação atual das obras da Infraero, a partir dos dados fornecidos pela própria empresa. No caso do Aeroporto Pinto Martins, as obras de reforma e ampliação do terminal de passageiros estão em etapa de licitação. A previsão para concluir, segundo o documento, é dezembro de 2013. Na obra, serão investidos R$ 349,8 milhões.

Leia também:
Situação do Aeroporto de Fortaleza é apontada entre as mais graves para a Copa de 2014
Empresas aéreas terão de informar tempo médio de atraso de voos nas passagens