Ficha Limpa

STF suspende novamente julgamento da Ficha Limpa

Sessão da mais alta corte do país decide se aplicação da Ficha Limpa vale para as eleições de 2012. Foto: Nelson Jr./STF

O Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu novamente nesta quarta-feira (15) o julgamento que decidirá se a Lei da Ficha Limpa é constitucional e será aplicada nas eleições deste ano. Antes da nova interrupção, o placar da votação estava em 4 votos a favor e 1 contra.

O ministro Dias Toffoli e as ministras Rosa Weber e Carmen Lucia apresentaram seus votos, sendo que o primeiro se posicionou contra a validade da Ficha Limpa na eleição deste ano. “É uma das leis de pior redação legislativa que vi nos últimos tempos. Leis mal redigidas por vezes corrompem o propósito dos legisladores e o próprio direito”, disse Toffoli ao anunciar seu voto contra a proposta.

A favor
A ministra Rosa Weber, que subtitui Ellen Gracie na corte, expressou pela primeira vez suas posições sobre o tema da Ficha Limpa. Ela questionou a resistência de Toffoli sobre a aplicação da inelegibilidade, que para Weber “não é pena” e o “foco é a proteção da legitimidade das eleições e soberania popular”. Ao final, a ministra acompanhou o voto do relator, Joaquim Barbosa. Carmen Lucia, que falou em seguida, declarou rapidamente seu voto, antes da suspensão da sessão, e também apoiou a posição do relator.

Ficou pra quinta
O julgamento deve ser retomado nesta quinta-feira (16). Faltam ainda os votos do presidente do STF, ministro Cezar Peluso, e dos ministros Ricardo Lewandowski, Ayres Britto, Gilmar Mendes, Marco Aurélio Mello e Celso de Mello.

Leia ainda:
Ficha limpa para administração pública começa a tramitar na Assembleia 
Vereador pede ficha limpa para cargos da administração pública  

A expectativa é de que os ministros, por maioria apertada, decidam que a lei possa impedir a candidatura de políticos condenados pela justiça, mesmo sem o trânsito em julgado da ação, ou que renunciaram aos seus mandatos para fugir de processo de cassação por quebra de decoro.

Do Estadão.com


Curtir: