Ceará

“Tasso não apoiará nem Heitor, nem Wagner”, diz tucano

O deputado federal Raimundo Gomes de Matos não esconde a rejeição às candidaturas Heitor Férrer e Capitão Wagner. Nos bastidores, o apoio de Tasso Jereissati é cobiçado pelos deputados
O deputado federal Raimundo Gomes de Matos não esconde a rejeição às candidaturas Heitor Férrer e Capitão Wagner. Nos bastidores, o apoio de Tasso Jereissati é cobiçado pelos deputados

O tabuleiro da sucessão para a Prefeitura de Fortaleza em 2016 terá disputas acirradas que já começam a se revelar nos bastidores. Antes de os nomes serem apresentados à população, os partidos travam uma queda de braço interna, para escolher aquele, em quem apostar as fichas como o representante do grupo capaz de conquistar o eleitor.

No tocante à oposição à atual gestão da Prefeitura de Fortaleza, os nomes de Heitor Férrer (PSB) e Capitão Wagner (PR) destacam-se como protagonistas, por serem os mais citados. Os dois, no entanto, têm encontrado resistências dos integrantes das legendas que defendem candidatura própria ao invés de aliança por coligação eleitoral.

O deputado federal Raimundo Gomes de Matos (PSDB), por exemplo, não esconde a rejeição. “O senador Tasso Jereissati (PSDB) não vai apoiar, pelo menos no primeiro turno, nem a candidatura do deputado Heitor Férrer (PSB) e muito menos a candidatura do deputado Capitão Wagner (PR) à Prefeitura de Fortaleza, nas eleições de outubro deste ano, porque o PSDB vai ter candidato próprio ao cargo”, dispara o tucano, um dos nomes apontados como possível candidato da legenda para a sucessão em Fortaleza.

Articulação
Na semana passada, o senador recebeu em seu escritório político, os deputados Heitor Férrer e Danilo Forte, ambos do PSB. Antes, Tasso já havia conversado com Capitão Wagner, que viajou a Brasília para encontrar o líder tucano. A aproximação com pré-candidatos de outras legendas é vista com reserva por integrantes do PSDB, que defendem a tese de candidatura própria, como é o caso de Raimundo Matos. O parlamentar avalia que tanto Heitor como Wagner “podem conversar com o senador Tasso Jereissati, mas sobre o segundo turno, caso o PSDB não chegue a esse patamar”.

Cabo eleitoral
Tendo em vista a representatividade e articulação do senador Tasso Jereissati no cenário da política brasileira, o apoio do tucano deve gerar um peso eleitoral importante na disputa.

Definição
No entanto, Matos informa que o PSDB vai realizar reuniões internas para definir o lançamento de candidatura própria, com o objetivo de avaliar e dar suporte aos eventuais candidatos do partido a vereador. Ainda segundo o deputado, o crescimento do PSDB fortalece a ideia que a legenda deverá ter candidato próprio à chefia da capital cearense. “Eu acredito que o PSDB, para sair fortalecido em 2018, tem que apresentar o projeto de crescimento para Fortaleza, através de uma candidatura própria”, reforça.

Disputa
Sobre a eleição de 2016, o parlamentar aposta em uma disputa acirrada com, pelo menos, meia dúzia de candidatos tanto da oposição como da situação. Dentre esses postulantes, estarão o atual prefeito Roberto Cláudio (PDT), que busca a reeleição, a deputada federal Luizianne Lins (PT), os deputados Heitor Férrer (PSB), Capitão Wagner (PR), Renato Roseno (Psol) e o federal Vitor Valim (PMDB), além de um representante tucano.

Com informações do OE


Curtir: